quarta-feira, 6 de maio de 2009

GAUCHE



Francisco Perna Filho








O bruto ser que brota

nos olhos finos do gato,

em plena luz refletida.

A loucura da palavra,

que me impede a boca,

no beijo travo da louca

que me assalta o sonho.

 

Um caminho

que nunca volta,

a porta em desalinho

na sombra que me reflete torto.

O passarinho rouco

em desacelerado canto

um beijo tenso guardado

Quando me levanto.

 

Tarde tarda tantas vezes o sono,

sou assim assado sempre que me escondo,

me escudo,

me recuso,

nunca me acho.

A fina flor que carrego

morreu de orvalho

 

Fonte da imagem: http://ipt.olhares.com/data/big/135/1355524.jpg