Poema - Francisco Perna Filho

 




Na Padaria

Alguém disse:"frio!"
retruquei,
pensando que fosse comigo.
"Não!",
disse-me a outra,
tiritando.
Estendeu-me a mão.
Servi-lhe café e pão.
Fiquei frio,
congelado.
Encolhi.
(uma música no rádio)
Pensei comigo:
"pão ou pães, é questão de opiniães".
Alguém gritou:
"Guimarães, volta pro livro,
amanhã você tem prova."
Despertei!
Poema inédito @franciscopernafilho




O céu é dos pássaros, mas a todo instante eles se chocam com aviões, no instantâneo dos sonhos, e se arrastam como cavalos selvagens. Assestei meu olhar para lá do que eu podia discernir, até atingir os seus cantos, até que um silêncio de estrondo apagasse o meu coração, quando as pedras borradas de sangue formaram dissonantes acordes como flores devotas em precipício. Eu joguei pedra nos pássaros, mas eles nunca explodiram, só aí me dei conta: Só sobraram os aviões, essas máquinas de fogo, voando a jato, num lapso de tempo, tão mortíferas como o veneno da rastejante serpente que sonhou comigo. Assim, apesar da fome que a mim me consumiu, senti inveja dos pássaros, emudecido me pus, a ouvir o lamento dos aviões, quando cruzaram o instante da minha ignorância. Agora me pergunto: para onde foram todos os passarinhos, que o meu olhar tão pálido não vê? Só ouço ruídos e um vazio de avestruz. @franciscopernafilho

Foto: Os pássaros no céu - Pixabay.com

Gabriel García Márquez




 "Sem dúvida a primeira notícia sensacional que se produziu - depois da criação - foi a expulsão de Adão e Eva do Paraíso. Teria sido uma primeira página inesquecível: Adão e Eva expulsos do Paraíso (em oito colunas). 'Ganharás o pão com o suor do teu rosto', disse Deus. - 'Um anjo com espada de fogo executou ontem a sentença e monta guarda no Éden. Uma maçã, a causa da tragédia."

(Gabriel García Márquez)
10 de agosto de 1954, El Espectador, Bogotá.
Trad.: Joel Silveira, Léo Schlafman, Remy Gorga, Filho.
Editora Record, 2020.
Foto @franciscopernafilho

 



Sentença social


Fora pego cheirando cocaína, ainda que negasse.
Levado para o presídio, durante anos cheirou o pó da cela, dos corredores e do pátio.
Foi o que disseram.
Um dia, sem que soubesse, deram-no por morto.
O diário local estampou na manchete:
Do pó ao pó.
Texto e fotografia: @franciscopernafilho

Francisco Perna Filho

 


Purgatório


A moça colhendo a bosta do cão,
A mosca na boca da moça,
A sopa, sem mosca e sem pão,
O pão, sem mosca e sem boca.
O cão, se sentindo cuidado,
sente-se livre para borrar a calçada.
A moça, com total afeição,
contabiliza sua dura jornada.
Do outro lado, na antiga estação,
olhos cansados espiam assustados,
É o poeta esquálido, sem eira nem beira,
na fila da carne, exercitando a palavra esperança.

Desenho: caneta sobre guardanapo @franciscopernafilho

Francisco Perna Filho

 



Ruídos

Ainda na ativa,
a septuagenária professora,
que ficara surda,
aprendeu leitura labial.
Com a peste,
vieram as máscaras
e as restrições.
Foram-se as bocas
e a esperança.
Tentou telepatia,
em vão.
Perdeu o emprego,
e, debilitada,
morreu na fila do pão.
Era sexta-feira!.

Foto @franciscopernafilho 

POESIA

 




A lírica existencial de Maria Lúcia Gigonzac



A Revista Banzeiro traz a poesia de Maria Lucia Reis Duarte Gigonzac e ilustração do Artista Plástico e Arquiteto M.Cavalcanti, que gentilmente nos presenteou com os desenhos da séria "Linhas e Sombras" - caneta acrílico sobre papel. Os poemas aqui apresentados são inéditos e foram escritos em diversas épocas.

Maria Lúcia nasceu em 1947, em Icem (SP). Ainda criança, acompanhando os pais, mudou-se para Minas e, depois, para Goiás. Em Goiânia, fez o segundo grau e, logo após, começou um curso de física, na Universidade Católica. Em 1972, mudou-se para ilha da Gudalupe, Departamento francês na América Central, onde se casou, teve dois filhos. Naquela ilha, cursou francês e história da arte, foi quando começo a pintar. Ao cabo de quatro anos, mudou-se para a França metropolitana, terra que viu nascer sua filha caçula. Lá morou primeiramente em Bordeaux, depois em Créteil, em Rueil-Malmaison, até desaguar em Taverny, no Val d’Oise. No ano letivo de 78/79, na Universidade de Villetaneuse (Paris XI). Em 1980, trabalhou como redatora de um jornal português, A Ponte, editado na França. Transferiu-se para a Universidade de S. Saint-Denis (Paris VIII) onde fez um DEUG(diploma de estudos universitários gerais) de português. Logo após, começou o curso de Letras (francês). Fez o DEUG de francês, depois a licenciatura e,. em seguida, foi aceita para o mestrado em literatura francesa. Na França, estudou artes: desenho, aquarela, pastel e óleo sobre tela. Retornou ao Brasil, quando dedicou-se à pintura, ao ensino de francês, traduções, e, paralelamente, à literatura.


Com inúmeras exposições no Brasil e no exterior, M.Cavalcanti, que também é Arquiteto, destaca-se como um dos mais conceituados artistas plásticos contemporâneos do Estado de Goiás. Nasceu em Uberlândia- MG, em 1956, e reside em Goiânia, desde 1960. Já realizou dezenas de painéis, inclusive na sede nacional da OAB, em Brasília, além de esculturas e murais. Obras de sua autoria compõem acervos, entre outros, da University of Wyoming Art Museum, em Laramie (Estados Unidos); Banco Interamericanos de Desenvolvimento BID, em Brasília; Palácio das Esmeraldas Goiânia; Unesco, no Rio de Janeiro; Museu de Arte de Goiânia; Fundação Jaime Câmara e Fundação Cultural de Brasília. Participou de exposições nos Estados Unidos, França, Goiânia, Brasília, Curitiba, São Paulo e Belo Horizonte.



 MEU MUNDO



De sonho e fantasia o mundo eu revesti;
Edênico jardim, arco-íris de cores,
Campina verdejante onde a viver mil flores
Dançando sob a brisa, a sorrir entre si.

Riachos de cristal farfalham a correr;
Adejam colibris e borboletas voam 
N'amplos panapanãs canções aves entoam
Com plumas de leveza as asas a bater.

D'Aurora ouro em pó lá jorram sobre os campos
Centelham do orvalho, em gotas, diamantes,
E no cair da noite esvoejam cintilantes
Em bandos céus afora, a faiscar, pirilampos!

Imperecível mundo, em beleza e harmonia
Quimérica visão de sonho e fantasia.

Gyn, em 2020





ESTRADA DA VIDA

Vinhas por onde eu ia, em mesma estrada,
Teu fardo era de dor, desilusão.
A tua fronte curvada era sulcada, 
Estampando tristeza e solidão.

Eu, porém, ia alegre em minha senda,
Vendo-a bordada em brilho e vastidão
Contente prossegui, e em oferenda
Levei minha juventude e o coração.

E ao regressar de tão longa jornada,
Perdera no caminho as vaidades,
Como o teu, meu semblante era marcado

Tinha eu também a face maltratada
Pelas rodas do tempo e as saudades
Perdidas n'algum canto do passado.

Gyn, 2017








SER DE NÉVOA

Quisera estar no infinito
De nebulosas, estrelas,
Pois que não posso retê-las
No meu espaço restrito

E ser só brilho e leveza
Fagulhas do firmamento
Livre como um pensamento
De harmonia e de pureza.

Viver no vácuo silente,
Nunca mais sentir saudade
Ser só de luz, sem presente,
Sem passado e sem idade.

Ser de névoa novamente
Por toda a eternidade!

Gyn, 2016.





HORAS AMARGAS

O amargo das horas amargas
Que fica na boca.
Escondido atrás do sorriso
Estampado no rosto,
Disfarçando o gosto,
Um gosto de fel.

Onde o mel?

Onde a leve doçura
Dos dias de encanto?

Onde encontrar um tanto
Por pouco que seja
Da cereja o gosto?

Ou um amargo doce,
Uma tristeza alegre
Por pouco que fosse!




MARCAS QUE FICAM

Essa marca que ficou no rosto
Reflete o desgosto
Fechado no  peito,
Escondido, abafado,

Qual vaga bravia
A rebentar sombria
Apagando o farol,
esboroando a rocha
e sempre a voltar.

Sempre a retornar
sem ter alvedrio,
mesmo que fugidio,
sem poder parar.





VIDA: UM SÓ DIA

Logo ao romper d'aurora o fulgurante dia
Vestido de Esperança, em cores e perfumes,
Esparzindo no mundo o canto e a alegria,
Radiante é a manhã, sem mágoas e queixumes.

O sol a pino vai, mas 'inda é bela a tarde,
Envolta toda em seda, ornada em pedraria
Tomada de ilusão, em desejo ela arde;
Ter o mundo a seus pés, por certo gostaria.

Mas o sol tão depressa afunda-se no Oeste,
E o dia vai morrendo em lânguidos suspiros;
Escuro é seu véu, negra mortalha veste,
Envolve-o triste bruma; o céu lhe oferta círios.

Esperança e ilusão lá jazem enterradas,
Silêncio e solidão é o que restou, mais nada.






AONDE VAIS?

Aonde vai o amor que
não escolhe findar,
 nem mesmo deixar para trás
um sorriso. Nem deixar um só beijo,
o beijo que era de mel,
 mesmo se tornado amargo
com gosto de fel
 eu o aceitaria
 em lugar do adeus.
Seu vazio deixado, lacrado,
enchendo o baú de recordações
que as rodas do tempo, como monções
colheram e reduziram a pó.

Por que fostes em náufrago
no barco da vida, se a senda é a mesma
para todo vivente, 
que a dada por chão, 
No forçado caminho,
Ladeado de espinhos,
Sem dele sair.
Sem ter alvedrio
Mesmo que fugidio.
Levado tu fostes
por mãos traiçoeiras,
Por mãos ceifadeiras.
Deixastes um vazio,
Na casa, no mundo.
Partistes, amor!  

Leia os textos em qualquer idioma

Pesquisar este blog

Leia também

Poema - Francisco Perna Filho

  Na Padaria Alguém disse:"frio!" retruquei, pensando que fosse comigo. "Não!", disse-me a outra, tiritando. Estendeu-me...