segunda-feira, 1 de abril de 2013

Luís Vaz de Camões - Soneto


Coitado! que em um tempo choro e rio


Coitado! que em um tempo choro e rio;
Espero e temo, quero e aborreço;
Juntamente me alegro e entristeço;
Du~a cousa confio e desconfio.

 
Voo sem asas; estou cego e guio;
E no que valho mais menos mereço.
Calo e dou vozes, falo e emudeço,
Nada me contradiz, e eu aporfio.

Queria, se ser pudesse, o impossivel;
Queria poder mudar-me e estar quedo;
Usar de liberdade e estar cativo;

Queria que visto fosse e invisivel;
Queira desenredar-me e mais me enredo:
Tais os extremos em que triste vivo!

Imagem retirada da Internet: máscaras