sexta-feira, 29 de julho de 2011

Heleno Godoy - Poema


O ESPELHO




Diante de um espelho não se põe
um sujeito, mas uma linguagem.

Nele não se articula um rosto,
mas uma fala comprometida.

O espelho não é, pois, inocente,
reflete o abismo de uma ousadia,

o jogo narcísico de uma mentira,
a ânsia de uma farsa, o medo

de uma falha, o fio branco de um
engodo recente ou centenário,

e o medo, na própria articulação
de suas angústias irresolvidas.


In. A Ordenação dos Dias. Goiânia:Puc Goiás/Kelps,2009, p.59.
Imagem retirada da Internet: espelho