sexta-feira, 8 de julho de 2011

Francisco Perna Filho - Poema

Velho homem
Foto by Paulinho Cé


Em vias




Pelo corredor do hospital
grande luta é travada:
a alegria do menino sereno
fora atropelada pelo monótono
amargor da velhice.
Não sabeis a quem recorrer.
Não basta o grito rumoroso de socorro
no perene desespero de quem avança
pelos rios do envelhecimento/envilecimento.
Ninguém ouvirá vosso grito.
Melhor não tivésseis memória,
porquanto não sofreríeis agora.
Todos os sóis que canonizastes
foram se perdendo nos secos galhos
de outono.
E a firme voz que tínheis
fora brutalmente amarfanhada e esquecida.
A estrela que sempre vos guiara,
petrificou-se em um bar qualquer
para seguir os errantes caminhos da noite.
Não tereis como vos socorrer.
Quebrastes todos os vossos espelhos,
rasgastes todas as fotografias da vossa infância,
perdestes o rumo de vossa casa.
Sois só.
Agora, demasiado fraco,
congelas algumas lembranças
para ensaiar o grande salto.
O que de vós fora feito, homem bom.

In. Refeição. Goiânia: Kelps, 2001