segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Romério Rômulo - Poema



pontes, ouro preto


as pontes que martelo e que atormento
carregam uma espécie de ungüento
que vila rica deixou em cada delas.

o sujo, o não calado, o renitente
perderam a vida, a mão, a língua, o dente
por discordar do que havia sobre elas.

quantos soberbos sobre as pontes disfarçaram
suas viagens de quem nasceu do ouro
e o ferro em apetite aguçaram.

tiveram, em pindorama, estes senhores
que carregar na consciência, se a tiveram,
o grito amargo das dores que causaram!
                                    (de quantas pontes vive ouro preto?)



In. Jornal de Poesia
Imagem retirada da Internet: Ouro Preto