terça-feira, 23 de agosto de 2011

Maisa Lima - Conto

Na Curva da Maria Bárbara


No começo, todo mundo pensava que não tinha nada. Depois, foi pior: deram-se conta que não tinham nada mesmo. E desgraça das desgraças: orgulhosos. Em suma, uma gente fadada a não sair do lugar.

Aqueles que julgavam ter se livrado do visgo da pasmaceira estavam afundados nele até o pescoço. Se acreditavam melhores que o resto do mundo. E por resto do mundo, entenda-se a beira de serra em que viviam.

O resto não importava. Até porque, eles não existiam para o resto. Era gastar arrogância à toa. Mas, até mesmo onde o nada cruza com lugar nenhum, há aqueles que fazem o povo andar. Zé Esteira era desses.

Olhando pro seu carro estacionado no quintal, a gente só não dizia que estava num desmanche porque era só um. Se não contasse, é claro, com a carreta do carro de boi. Tão abandonada, que se a chuva continuasse era capaz de virar lenha.

O carro do Zé tinha chassi, rodas, volante e, luxo dos luxos, bancos! Quando ia pra cidade, só não usufruía da civilização quem não quisesse. Levava todo mundo. Só que a civilização também usufruía do Zé: bebia até cair os dentes. Mas, nunca matou ninguém.

Até que Daltiva, desgostosa da vida que levava com Aelcio Abacaxi (só o raio dessa fruta crescia no areal que o homem escolheu a dedo da terra que o pai deixou de herança para a prole de 14 filhos), tentou se matar afogada no lamaçal da Curva da Maria Bárbara. Mas não com o Zé. Outro só ia achar que era mais um cupim no chapadão, com um ar engraçado de nortista. Mas o Zé, não.

Ele gosta de conversar, mas gosta mais ainda que o freguês concorde com suas justíssimas palavras. Aliás, quanto mais bêbado, mais justas.

Quando Daltiva sequer lhe respondeu com o habitual – hum!, notou que algo não ia bem. Só demorou cinco quilômetros para se dar conta que, ou o planeta Chupão tinha sugado Daltiva (sorte do Aelcio, mas ele não merecia), ou tinha comprado passagem só de ida para o Vale dos Suicidas, ou, pior de tudo, tinha deixado o Zé falando sozinho. Essa última possibilidade fez com que reagisse. Um homem tão bom não merece esse tratamento! Ainda mais que Daltiva era a única que arriscou de voltar com ele e não gostava que o povo o visse falando sozinho.

Daltiva, que nunca foi apresentada a qualquer lei da física – nome lindo pra uma vaca! – não firmou no banco e foi ver de perto porque o chapadão é terra boa pra soja.

Zé não agüentou a desfeita. Com o ar mais sério do que o de Zumbi quando assumiu o lugar de Gangazumba em Palmares (isso é por minha conta. Zé nunca ouviu falar em nenhum dos dois. Mas é preto e eu, um daqueles que, em vão, tento transformar a pasmaceira em verniz), declarou:

-Sou bão demais, Daltiva. Carona dou pra todo mundo. Mas gosto que me avisa quando vai descer.

Daltiva, digna, apesar da lama que pingava da sobrancelha, voltou para o chassi com rodas. Com o orgulho em frangalhos, mas voltou. O chapadão não era famoso pela animação (os gaúchos ainda não eram praga) e 17 quilômetros são de se respeitar. Ainda mais que até os brincos – ouro puro da Bahia – estavam marrons e ela não queria ser confundida com um tatu-peba fashion.

 Mas ficou mais de mês sem ir pra civilização. O Zé não percebeu, porque, graças a Deus, pinga apaga qualquer desfeita. E o Aelcio, coitado, pensou que era amor.


* Maísa Lima é Jornalista, Editora de Economia do Jornal do Tocantins.

Imagem retirada da Internet: Humortalha