terça-feira, 13 de julho de 2010

Brasigóis Felício - Crônica



Pareceres da fome



Brasigóis Felício


“Todos nós temos sofrido o desrespeito de algumas companhias aéreas, ora prendendo os passageiros mais de uma hora no avião, sem partir, deixando correr tempo e paciência, ora pelo atraso sintomático pelos abstratos e nunca explicados motivos operacionais, onde se toma pomposo chá de aeroporto, ora dando ao cliente nenhum lanche ou um nada de amendoins, uma leve ração de bolacha e a fome, a fome durante o percurso inteiro, como só acontece, por exemplo, na Gol.

Viajamos na fome e de fome nos alimentamos, quando as horas são longas e o estômago insaciado. Talvez nos caiba, futuramente, um seguro contra a fome nos aviões, pois os seus proprietários estão, paulatinamente, esquecendo a nobre hospedagem para os que são a causa da prosperidade das companhias, ao não querer os passageiros – nem digo fome total – a mínima fome.

E se não houver seguro contra a fome nas viagens aéreas, deverá ser possível indenização posterior, também, contra a companhia de aviação, compatível com o tempo de fome que advier ao passageiro”. Assim escreveu o poeta Carlos Nejar, em crônica publicada no Diário da Manhã, verberando contra o desabono e o desrespeito com que são tratados os passageiros de avião, neste país dos Jobins e das Infraeros que falam muito e fazem pouco. Pois a fome não tem lembrança de não ter sido matéria de urgência urgentíssima. Acima ou abaixo do Equador, emite pareceres impostergáveis, que têm de ser atendidos como se fossem liminares com jurisprudência firmada.

De fato, é chegado o tempo em que, em plena era da Fome Zero, passageiros aeroviários terem de levar matulas, para não sofrer a privação do essencial, em suas viagens. Como o faziam os mais antigos, quando não havia lanchonetes a cada quilômetro de estrada de terra, e era de urgência urgentíssima levar a sagrada farofa, para não ficar com a barriga roncando. Situação em que nem ler é possível, pois o barulho atrapalha.

A fome é um gravame ou privação existencial a que estão sujeitos todos os que, a trabalho ou em passeios, têm de enfrentar a incerteza do embarque, as longas horas de espera, na esperança de serem chamados a ingressar nas salas contíguas às pistas – lugares ambicionados onde, salvo incidentes gravíssimos, verdadeiros casos de polícia -, já se está com os dois pés na escada que dá acesso ao pássaro de asas de prata.

Quanto à fome anunciada e inevitável, pela qual se tem de passar, quando se é passageiro de nossas companhias aviatórias, garatujei algumas palavras, inspiradas no texto de Carlos Nejar: há uma fome funda, e outra, que é bem rasa. Há uma fome de avião, e outra de aeroporto. Na primeira se sofre quando vamos de Gol – é quando se tem de viajar só tendo direito a pedir água e bolacha – sem regalias de biscoito.

Na fome de aeroporto, podemos pedir brevidades de arrancar os olhos à cara: carece ter din-din no bolso. Há uma fome de fruta, que nas feiras e mercados se aplaca: e outra fome, a da carne, que por não ser fraca, que superlota as delegacias da Mulher, e as Varas de Família. Dá-lhes lei Maria da Penha, quem sabe assim os machões se emendam! Estando-se a embarcar no aeroporto Santa Genoveva, há que passar pelo sofrimento de assar no calorão de um desconfortável barracão – sem lugar onde colocar o carro, e tendo-se que esperar de pé, sendo freqüente a superlotação.

Quanto à fome de ontem, é mera lembrança (se não teve continuação). A fome de hoje – sendo sem esperança – é um buraco tão fundo que nele cabe o mundo. Ratos e homens vivem em luta pelo que dê sustança. Quanto a mim, só peço a Deus que não me falte a fome de cada dia, e o pão que a faça ausentar-se, por algum tempo.


Imagem retirada da Internet: Fome