sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Wender Montenegro - Poema

Mea culpa ou Profissão de fé



ao poeta Francisco Carvalho



Semear poeiras e andrajos de esperas

dissecar os ossos das metáforas

acender espantalhos no amarelo das espigas.


Decantar o silêncio que sustenta o cais

ostentar um colar de metonímias

despir a voz da louca, cuja febre anuncia

um evangelho apócrifo.


Caminhar sob pedras como por milagre

ouvir a foz rouca dos rios da infância

borrifar no azul as flores do arco-íris.


Pintar um verão vazio de andorinhas

se encharcar de sol e devaneios

hastear um lenço sujo de saudade

ajustar os ponteiros na cópula dos pardais.


Imagem retirada da Internet: cais