segunda-feira, 20 de maio de 2013

Valdivino Braz - Poema - PALMAS 24 ANOS

Palmas: Praia do Prata - foto by Francisco Perna Filho




PEDRA SOBRE PEDRA
(Palmas para o Tocantins)

— A essência do poema “Palmas”, de Francisco Perna Filho, pauta-me o tema,
e aqui homenageio o autor e o povo tocantinense —




I

Palmas
para o Tocantins,
com poemas afins,
que lhe cantam os encantos,
sim, a par com os desencantos,
e choram-lhe o pranto;
celebram-lhe, outrossim,
a obra que se levanta:
Palmas que se anima,
se alavanca, arquitetônica,
centro diretivo e econômico.

Poesia da terra e dos rios,  
Araguaia, Tocantins,
afluentes rios do Sono e das Balsas,
Paranã e outras fontes fluentes,
veios, vertentes que se alargam, 
para que nadem os peixes,
naveguem os barcos,
a terra se abasteça,
germine a semente,
e o homem se alimente.

Dos barcos as marcas do tempo,
do tempo os ventos históricos;
do Estado que se implanta,
o rosto de Palmas, enfim,
que se contempla.

Encanta-se
com os seus encantos,
sim, também reporta-lhe
das almas o sofrimento,
realça-lhe denúncia e esperança,
“a poesia em movimento”
com a pena de Chico Perna.

Quebra-lhe, poeta,
a golpes de vocábulos,
esse quebranto, malefício,
mau-olhado, olho-gordo;
a cargo, de sobrecarga,
o que aprontam e se apropriam
 os inimigos públicos.

Enxáguem-se as mágoas,
enxuguem-se as lágrimas,
o pranto, o lamento,
 o travo amargo,
de maligno o que engasga,
de turvo o que não se lava.

Onde mora a felicidade,
 senão na própria e feliz cidade?
Quimera o mero jogo de palavras,
 lavre-se da pedra a veracidade.

Ver a cidade...
Ah, poder dizer, um dia:
Venham, venham ver
a cidade que se  quer,
como sempre se quis,
florida de vida e alegria.
Ela toda, bem entendido,
o povo todo, feliz.

Utopia o dia sem valia,
que se vai,
sonho de vida,
que se desfaz.
Querer é o verbo;
realizar, o verbo auxiliar.
Anda, vai e faz.
Querer e poder
 não é só querer o Poder.
É distribuir
o direito e a justiça
de se viver
 com dignidade.
Humanidade,
a lei com que se rege
toda cidade que se preze.

II

Palmas
para o Tocantins,
poema que se apruma,
colunas de força humana.
Promana-lhe mão-de-obra,
pedra sobre pedra,
cerce aos alicerces,
se agrega e se ergue,
sólida se consolida.
Projeto em que se traça
promessa de metrópole.

A 18 de março de 1809,
 o marco da comarca,
o Dia da Autonomia.
Passaram-se os pássaros,
cerca de quase dois séculos
— 180 anos exatos —
para tomar-se posse
de foro próprio.
Nasce o Tocantins em 1988,
instala-se o Estado em 1989,
Palmas se planta
a 20 de maio de 1990,
e se avulta, se agiganta.
Ainda moça, 24 anos, bonita.
Alma se-lhe move a graça,
alto se-lhe alça 
a verve do espírito.

III
.
Palmas!
Vigésimo quarto aniversário.
Farfalham cadernos de poemas,
 folhas de palma se espalmam,
batem palmas os ventos
alvissareiros.

São os ares do bioma natural,
chão de serras e cerrados,
florestas e veredas,
campos e savanas,
 flora e fauna do Estado.
Terra de sol e quedas-d´água.
Treliça, argamassa, amálgama.
Rosa-dos-ventos e eventos.
(P)alma radial,
o coração em que lhe pulsa
a Capital.

Pedra sobre pedra,
fundamentalmente.
Palmas,
seara e semente
do povo tocantinense.
Ouripétalas de sua gente,
o futuro aí floresce.
Os girassóis na praça,
o sol no horizonte.

*

____
Valdivino Braz, jornalista e escritor, participou, como secretário de mesa, do Plebiscito Pró-criação do Estado do Tocantins, em 1988, com a presença do então governador de Goiás, Henrique Santillo, além de lideranças políticas e de populares favoráveis ao movimento autonomista. Lotado, na ocasião, na Secretaria de Comunicação (Secom) do governo estadual, Braz integrou a equipe de reportagem que se deslocou para a região Norte (hoje Tocantins) e foi ali convocado como mesário daquela audiência pública, que obteve votação vitoriosa em prol do novo Estado.