sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Brasigóis Felício - Crônica


A arte insólita de Moacir


Brasigóis Felício *



No povoado de São Jorge, em Alto Paraíso, vive um artista do povo, de imaginação onírica ou insólita, chamado Moacir. As estranhas figuras que desenha e pinta lembram o museu do inconsciente, de Nise de Silveira, que fez uma revolução na psiquiatria, ao revelar talentos artísticos de criaturas psicóticas em alto grau. Moacir faz seus desenhos desde os sete anos. Filho de pais muito pobres, garimpeiros e catadores de lenha na região, começou pintando nas pedras, paredes, toras, e o que encontrasse à sua frente.

Depois, já crescido, danou a ter medo de gente, evitando o contato até mesmo enquanto desenhava para as pessoas. Protegia-se com um cobertor vermelho, e segundo o pai, quando entrava no campo voltava correndo para casa, ao sentir “catinga de gente”. Aos poucos foi vencendo a ojeriza a gente, ampliando seu imaginário, à medida que via mais coisas e pessoas. Reportagens sobre ele já foram feitas, e são freqüentes as visitas de turistas, vindos da Europa, interessados em conhecer seu trabalho insólito.

O cineasta Walter Carvalho realizou um muito bom documentário sobre ele, intitulado: Moacir – arte bruta. Em verdade, é injusto ou equivocado chamar de bruta a sua arte – até por ser ela muito sensível, extrapolando as fronteiras ao alcance da mente racionalista. Analfabeto que lê alguma coisa, é uma estranha figura, tão insólita quanto as imagens que desenha. Sua mãe conta que ele rejeitou o seu leite. Dele não precisou. Bebeu direto da fonte da mãe natureza. Pintando o que vê no escuro, e não compreende, em sua inconsciência, pinta o que não sabe nem sente. Apenas expressa em dom natural o que o que ele vê no ar, em pleno escuro.

Visto, no início, como demente, em função de sua ojeriza a “catinga de gente”, hoje é aceito como artista pela comunidade de gente simples, se bem que alguns ainda se horrorizem com os seus capetinhas chifrudos. Se antes pintava escondido, passou a ver as pessoas de modo diferente, quando enxergado por um novo olhar. Não havendo mais estranhamento em relação ao seu estranho modo de ser, de viver e de se expressar, passou também a aceitar o contato. Sempre continuando o que tinha aprendido, continuou aprendendo.

Moacir pinta de dentro para fora, enquanto processa as imagens que lhe vêem do inconsciente. Enquanto as imagens de seu mundo insólito se ampliam, seu traço é sempre o mesmo. Inútil querer explicá-lo à luz da lógica cartesiana, como Siron Franco, em visita a Moacir, tentou faze-lo, mas de modo infeliz. Tanto assim que, ao brincar de desenhar, com o artista da arte bruta, saiu, digamos, humilhado, pelo olhar totalizador e integrador do artista naif, que deu sentido ao desenho iniciado pelo artista consagrado. Tal fato foi registrado pelo crítico que apresenta o documentário, no canal 66. Longe aqui estou de comparar Siron a Moacir – isto seria um absurdo. Apenas estou a assinalar que o saber cartesiano não é capaz de manipular – e sequer de entender – o que brota das luzes e sombras do inconsciente.

São longas e interessantes as falas de Moacir – de certo modo, soam como legendas, apontam para a incongruência do querer explicar o inexplicável, reduzindo o fluxo onírico de uma mente estranha e penetrante a teorias, esquemas, enquadramentos:”Não é o que eu falo? Essa coisa que ele desenha traz para ele o entendimento. Isto ta na cabeça dos compreendidos. Mas ta fora da cabeça dos que ignoram”.

Ele também diz que envelhecer é muito ruim, sempre diz isto aos jovens. E quando eles perguntam como fazer para não ficarem velhos, ele diz que são muito bons para isso a formicida, o BHC, o veneno para ratos. Mas ninguém quer saber de beber, então vão ter mesmo que envelhecer. À lista de providenciamentos para evitar o envelhecimento o pai de Moacir poderia acrescentar a longa lista de drogas ilícitas, como o crack, a cocaína, e outros baratos que, no fim das contas, não saem barato...

Passado o tempo em que não queria ver nem ser visto por gente, Moacir passou a crescer, com a dor de existir e conviver. E se fez diferente, permanecendo o mesmo. Sem nada saber de seu gênio criativo, nem de sua humanidade, mas também sem fazer de seu ofício uma missão fatídica de o trair. “É longe, muito longe o pensamento”, diz Moacir, em um monólogo que poderia ser de um energúmeno, se não expressasse uma profundidade da qual ele mesmo não se dá conta: “O meu pensamento tá muito longe... nem sei desse pensamento. Pensamento, entendeu? Pensamento...”.

Lá vai Moacir, artista doidivano, pelas ruas empoeiradas do povoado de São Jorge, a conduzir sua bicicleta cargueira, à frente da qual vai uma imagem do capeta, que ele mesmo fez. Sob olhar acostumado dos nativos, e o susto e espanto dos turistas, atravessa a tarde solarenga, não sabendo que com este gesto inconsciente de afronta aos que desfilam e cantam no coro dos normóides, atua como inteligente marqueteiro que não sabe o que é marketing.

Só ele vê o mundo em que vive – ninguém pode expressar ou entender o mundo que ele vê. As pessoas se espantam e não aceitam que alguém possa enxergar o estranho e grotesco mundo que a elas não é revelado. Moacir, porém, não se importa, pois vive em fulgores de não saber o que os críticos ensinam por não saberem fazer.

Feliz é o ingênuo Moacir, que no povoado de São Jorge vive no mundo do desenhar e pintar as imagens que lhe vêem do inconsciente (que ele garante estarem no ar) sem perder-se no nos entrechoques com as vanidades do pensamentar que só é capaz de criar, aumentar e reproduzir as dores e conflitos de um mundo que tudo perdoa, menos a verdade, a inocência e a pureza que levam pessoas como Moacir à dignidade e grandeza de serem iguais a si mesmas.



* Brasigóis Felício, escritor e jornalista, é vice-presidente da UBE-go e membro da Academia Goiana de Letras.

Imagem retirada da Internet: Moacir