terça-feira, 17 de novembro de 2009

Francisco Perna Filho - Poema








Francisco Perna Filho





Errabundo


Eis meu corpo,
não vos ofereço.
Santificado não fora,
tornara-se errabundo e fértil.
Feito de todos os metais,

fora navegante sempre,
conquistador.
Buscou n’alma o outro;
na alegria, a estrada;

na gruta, o vício.
A vós, nada pode ofertar.
Livre de toda vestimenta,
sempre foi sombra
e com as sobras do mundo
fez sua última ceia.
De vós nada quer.
Em mim, somente em mim,
celebra o ócio.
Desconhece qualquer outra sorte
que não o vício.
Com ele celebro o mundo e sou.
De vós nada quero.


In.Refeição.Francisco Perna Filho. Goiânia:Kelps, 2001.
Imagem retirada da Internet: Lobo.