sexta-feira, 1 de junho de 2012

Gláucia Lemos - Poema



Os barcos da tarde


Vede os barcos que ficaram solitários 


quando os ventos passaram 
são como o corpo das mulheres sozinhas 
quando passaram os tempos das esperas. 


Não tocai nessas velas! 
Não tocai! 
São como os seios das mulheres castas 
pulsando inutilmente 
Vão tocai! 
Vede como são mortos esses barcos, 
como morrem em silêncio essas mulheres! 


Imagem retirada da Internet: seios