domingo, 9 de janeiro de 2011

Lindolfo Bell - Poema























RECÔNDITO IMPULSO




Amadureço

na palavra

que amadurece.

Entre fibras, sangue, desejo

que intumesce.

No amor

onde cresço, me acresço:

eis a messe.


Nivelar

é navalhar a liberdade.

E viver é longa estrada,

É recôndita vontade

dita e não dita:

vocábulo,

coágulo.


Amadurecer.

Lúcido,

lúdico.

Na maravilha,

na armadilha.


Amadurecer no âmago.

O âmago amado.

O amargo âmago, amado.

Amadurecer o âmago armado

do tempo esplêndido da alegria.

Mas também de tempo da amargura

que estraçalha

e desconfia.



Amadurecer.

A áspera saliência e rubra.

A macia maçã

do recôndito impulso.





Fonte: Antônio Miranda

Foto by Cristiano Gomes Mazinho