quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Memórias - Por Francisco Perna Filho




Francisco Perna Filho





O POETA E A CIDADE – MEMÓRIAS


As cidades sempre me fascinaram, desde muito cedo, eu tenho um certo encantamento com relação a elas, não importa o tamanho, a simplicidade, o povo que nelas vive. Sendo cidade, já está no meu gosto, e como gosto de ser urbano, sem desprezar, é claro, a vida tranquila do campo.

A cidade da nossa infância sempre nos marca, positiva ou negativamente, dependendo do que ali foi vivido, conquistado ou perdido, das pessoas com as quais convivemos, como fomos ambientados. A minha cidade foi-me muito significativa: Miracema do Norte, na década de 60, era um lugar de mais ou menos 6.000 habitantes, mas, para mim, era uma metrópole, gigantesca: suas ruas longas, intermináveis, estirões no centro do mundo. Os seus becos, os seus postes de madeira: dois fios esticados e uma lâmpada não muito potente, faziam as noites mais amenas e diluíam o olhar brilhante dos vaga-lumes. A luz era gerada num velho motor a óleo dísel que, por horas a fio, mastigava a escuridão, prolongando o ilusório dia das nossas infâncias.

O tempo passou, acostumei-me com os dias longos e tristes: um dia uma festa, noutro, o sino seco da matriz carpia a ausência de mais um que partia, os martelos cadenciados desenhavam os caixões durante toda noite, já que não tínhamos funerárias. A cidade atravessava as estações, o Rio Tocantins banhava a cidade, muitas vezes exagerava no banho e a cidade, quase submersa, chorava escombros e doenças, até recompor-se e firmar-se com seus ventos gerais, no mês de julho.

E ali eu cresci, corri descalço pela piçarra que cobria as ruas, brinquei com barquinhos de papel na enxurrada, colhi frutos silvestres pelo Correntinho e Bica, andei de bicicleta pelas ruas esburacadas, chupei manga e caju no pé, andei por quintas e nadei muitas vezes nas águas imensas do Tocantins. Descobri o sexo com as meninas no fundo quintal, até ser descoberto e levar uma surra de palmatória, ritos de passagem, como a minha primeira comunhão, tudo por curiosidade para experimentar o sabor de uma hóstia. Sempre a cidade como palco.

Fiz o meu primeiro grau na Escola Paroquial Santa Terezinha, dirigida pelos Padres Redentoristas, que mais tarde passou a se chamar Escola Estadual Santa Terezinha, e o segundo grau no Colégio Tocantins, sob a coordenação das irmãs da Assunção.

Continua amanhã


Imagem: Cidade do interior à noite - óleo sobre tela - by Eduardo Cambuí Junior (pintor baiano, auto-didata)