segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Goiamérico Felício - Poema







Brasigóis Felício










AÇOUGUE DAS ALMAS


A cidade planeja nossa morte:
máquina de nervos e ódio
a cidade nos tritura
do olho até os ossos.
O surdo ruído
de suas máquinas insones:
a cidade gane, executando
suas crianças.

A vida, presente nas coisas,
é de uma eternidade fragílima
e no tempo monetário foi transformada
em solidão e tédio.
A cidade, máquina de aço e ruídos
perfura a vida com seu ódio
até o fim dos ossos.


In. Hotel do Tempo.Brasigóis Felício.Rio de Janeiro: Civilização Brasileira/Massao Ohno, 1981,p.82.
Imagem retirada da Internet: Indústria.