domingo, 19 de setembro de 2010

Carlos Drummond de Andrade - Poema

Madrigal Lúgubre


Em vossa casa feita de cadáveres,

ó princesa! ó donzela!
Em vossa casa, de onde o sangue escorre,
quisera eu morar.


cá fora é o vento e são as ruas varridas de pânico,
é o jornal sujo embrulhando fatos, homens e comida guardada.

Dentro, vossas mãos níveas e mecânicas tecem algo parecido com um véu.

O mundo, sob a neblina que criais, torna-se de tal modo espantoso

que o vosso sono de mil anos se interrompe para admirá-lo.

Princesa: acordada, sois mais bela, princesa.
E já não tendes o ar contrariado dos mortos à traição.
arrastar-me-ei pelo morro e chegarei até vós.
tão completo desprezo se transmudará em tanto amor...

Dai-me vossa cama, princesa,
vosso calor, vosso corpo e suas repartições,
oh dai-me! que é tempo de guerra,
tempo de extrema precisão.


Não vos direi dos meninos mortos
(nem todos mortos, é verdade,
alguns, apenas mutilados).


In. Sentimento do Mundo. Rio de Janeiro: Record, 2002,p.69.

Imagem retirada da Internet: na rua