quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Sharbat Gula

Apresento um poema inédito, feito há pouco, a propósito da notícia de que Sharbat Gula, que se eternizara nas lentes do fotógrafo Steve McCurry, na capa da National Geographic, fora detida, nesta quarta feira, no Paquistão, sob alegação de estar usando documentos falsos. Se condenada, poderá pegar de sete a quatorze anos de prisão.

Resultado de imagemResultado de imagem para Sharbat Gula

Aos 12 anos,
Sharbat Gula
tivera a alma roubada e impressa em papel fotográfico
[na prensa do mundo.
Tornara-se famosa, cultuada,
cultivada nas paredes de ricos escritórios e apartamentos,
enquanto quedava sobrevivente em um campo de refugiados na cidade de Peshawar, no Paquistão.
17 anos depois, já com 30 anos, desta vez no Afeganistão, fora mais uma vez fotografada por Steve McCurry, que lhe falara da fama, do mundo, mas nada lhe dera, e,
mais uma vez, nada lhe prometera, levando consigo a imagem de uma alma dilacerada.
Aos 46 anos,
largada à própria sorte,
autora de três filhos
e refugiada em si mesma,
Gula, agora, está só, como sempre estivera,
fincada nos dias intermináveis de solidão e preconceito,
à procura da identidade
que lhe fora negada.
A menina afegã não existe mais.
Os seus olhos, outrora verdes e selvagens,
São agora tristes e opacos.
Sharbat Gula
Amarga seu destino,
Aguarda sua sentença,
sem que lhe reconheçam a efêmera fama da qual fora vítima.

(Francisco Perna Filho)
Fonte da notícia: El País.
Imagens: Internet