quarta-feira, 8 de julho de 2015

Francisco Perna Filho - Poema


Lavandiere - Cesare Bacchi (1881-1971) - Italiano

Metáfora



Agreste,
a flor de couro floresce
nas fendas do acaso.
O tempo a dedilhar-lhe as entradas,
as entranhas,
os vazios,
na secura do sertão.
Serena,
A flor de couro floresce
na relva esquecida,
no comprido lamento
dos chocalhos,
no guizo das serpentes
a espreitá-la.
Alheia,
a flor de couro floresce desencantada,
e na sua fome de cactos e pedras
desconhece outras fomes
que se avizinham.
Agreste,
a flor de couro floresce
para a colheita.


Este Poema ganhou o 2º lugar no Prêmio OFF Flip de Literatura - Paraty - 2014