quinta-feira, 4 de julho de 2013

Valdivino Braz - Poema



O mar dentro das palavras


O mar explode
na milenar solidez das rochas,
a onda se estilhaça com os seus cristais
e a louça de suas conchas.
Do limbo abissal do oceano,
emerge o carbono,
o espírito
infinito da escrita.

Uma voz vinda do mangue sangra
emaranhado de vocábulos.
Arrebentam-se no mar as ondas de algas
oriundas do fundo negro de tudo.
Surge do limbo das águas
o ser das palavras
que se abrem feito feridas.

O mar se atira
num jorro de espuma e calcário.
O barco espatifado aderna
ao modo de um aleijado,
ou manco de uma perna,
que se deita na praia
dos esquecidos.

O ser solitário contempla a fúria
das ondas fragmentárias
e murmura
ao sentir o mar dentro de si.
Um grão de areia
em sua mão é o mundo e o enigma de tudo.
Uma pedrinha de nada,
polida pelas águas.
O ser guarda a pedrinha na boca e se volta
para dentro das palavras.

Arabescos na areia são sinais de siri.
Albinos caranguejos se movem por ali.
As bromélias brotam e porejam a pele da noite,
com brotoejas.
Beijos bivalves e convexos
colocam acentos circunflexos
numa conversa de amêijoas.

Marulhos.
O ser a esmo perambula
com a memória das águas
nas cercanias de si mesmo.
O ser na praia vazia se toca
com a pedra marinha na boca.

O ser se sabe
na pedra de sua água.
Um nada de tudo
que é tudo e nada.
O mar, a vida, a onda
e o nada contidos na pedra.
Uma pedrinha de nada,
polida pelas águas.
Reluz nas trevas das palavras.

In. Revista Poesia Sempre. Nº 31. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional, 2009, p.161-163.
Fonte da imagem: Icultgen