segunda-feira, 3 de junho de 2013

Valdivino Braz - Poema

Foto by Giacomo Capraro














Aprendizagem das mãos


Cedo fui levado por estranhos,
num cavalo que ainda assombra
as noites da minha infância.

Cedo comecei a apanhar do mundo,
e logo aprendi meus medos
às mãos humanas
que agridem.

Tarde aprendi as próprias mãos
como armas para o revide,
mas o pouco que bati, doeu-me,
e diminuiu-me.

Por isso, amansei minhas mãos,
e adestrei-as para os ofícios
mais nobres.

Fi-las ferramentas
no corpo da vida,

e soube-me operário
na oficina da palavra.


In. A Palavra por desígnio (1983).