sábado, 11 de maio de 2013

Pedro Tierra - Poema

     Foto by Francisco Perna Filho: Paulinho Pataxó,
 Porto Seguro-Brasil/2006















AGONIA



Morro a morte
mais longa,
a espantosa morte
de um continente.

Morro há séculos
no corpo dos povos
                                exterminados.

O coração lavrado
pelo fogo
                                dos bandeirantes,
                                bugreiros,
                                caçadores de escravos.

Sou a boca aberta de milhões,
grito de homens sem armas,
ferida sangrando
na carne da História.

Dentes cerrados,
afio a flecha
a fogo e fúria.

Retorno à terra
- alma de meu povo -,

                                  sem paz,
Com as armas do meu uso
defendo sua memória
                                   enterrada.

Retorno à terra
e convoco os ossos
dos guerreiros degolados
                                     EMANCIPADOS
                                     pelo fogo do Arcabuz!

Retorno ao coração da Terra
e dele retiro minhas armas,
o braço,
               a borduna,
                                o canto dos mortos.

Levanto-me,
a corda dos arcos
retesada,
o corpo das lanças
refundido,
sem descanso avançam
os portadores do fogo.


                                                                     1978

(Este poema dedicado aos povos indígenas do Continente foi escrito durante
a Campanha contra a falsa EMANCIPAÇÃO dos Povos Indígenas do Brasil).

In. Inventar o fogo. Goiânia:(não consta o nome da editora)1985, p.54-55.