segunda-feira, 29 de abril de 2013

Valdivino Braz - Conto



O menino e a prostituta
(Conto de um tempo antigo)




          — Menino!
          — Senhor?
          — Sabe onde fica o mulherio por aqui?
          — Mu...o quê?
          — Mulherio. Casa de mulheres.
          — Ah, o senhor quer dizer a zona, não é?
          — Isso mesmo. Pra que lado fica?
          — O senhor está fora de rumo. A rua das mulheres fica praquela banda — apontou com o dedo —, lá longe. Mas eu sei onde tem mulher aqui perto. Se quiser, levo o senhor até lá.
          — Onde é?
          — Vira-se ali — de novo, mostrou com o dedo —, naquela esquina, depois noutra. É perto.
          — Tem mulher bonita lá?
          — Tem, sim.
          — Então vamos.
          Lado a lado, caminharam na noite da rua sem asfalto. O menino deteve-se um instante, recolheu do chão uma tampinha de garrafa e guardou-a no bolso da calça curta. Colecionava tampinhas, figurinhas, botões, marcas de cigarros e até pregos, além das bolas de gude, fascinado por elas. Mais adiante, tornou a parar, pra retirar um estrepe do pé descalço. Voltando a caminhar, indagou:
          — O senhor mora lá no centro da cidade?
          — Não — respondeu o homem. — Não sou daqui.
          — Ah! — fez o garoto, e calou-se.
          Viraram à direita, depois à esquerda, numa ruazinha obscura e meio esburacada.
          — Tem mesmo mulher por aqui, moleque?
          — Tem, sim. Já estamos chegando.
          Chegaram. O local, um barraco branco, no fim da rua e recuado no terreno sem muro. Claridade de luz, projetada pelo vão da porta aberta. Ao lado, à entrada da casa, um canteiro de flores; suave aroma no ar fresco da noite.
          — Entra, moço — convidou o menino, já do lado de dentro.
        O homem entrou, percorrendo os olhos pelo ambiente. Uma sala simples, com mesa e cadeiras, no centro. Um forro plástico, estampado, cobrindo a mesa. Numa parede, um pequeno quadro com figuras de gatos. Noutra, uma velha estampa da Sagrada Família. Uma mulher de trinta e poucos anos, bonita, apareceu na sala. Esboçou um sorriso e cumprimentou o estranho. Vestia singelo vestido, cor-de-rosa, e recendia a perfume barato. O menino se adiantou:
          — Este moço quer falar com a senhora, mãe.
          E tornou a sair para a rua, deixando os dois sozinhos.


*
Imagem retirada da Internet: brothel

domingo, 28 de abril de 2013

Ensaio Crítico - Valdivino Braz

Moreira Campos

Escritores esquecidos, desmazelo cultural


 “Você conhece Moreira Cam­pos? Já leu al­gum livro de­le?”. De Fortaleza, Ceará, recebo, por meio de e-mail, estas perguntas do amigo e primoroso escritor Nilto Maciel, imbuído de oportuna, pertinente pesquisa “para mostrar o quanto ignoramos nossos escritores menos divulgados pela mídia, pela Academia, pelas editoras, etc.” Com efeito, agora que se apruma a questão, volta-nos à memória o nítido nome de Moreira Campos, a exemplo de outros que vão sendo insidiosamente esquecidos ou simplesmente ignorados.
Aponham-se o débito editorial, a omissão das Academias de Letras e outras instituições (universitárias, inclusive) ou entidades culturais, como (sejamos francos) a UBE nacional e suas seccionais, além dos próprios escritores, ocupados consigo mesmos, zelosos de suas “carreiras literárias”, senão que apenas indiferentes à questão dos colegas na berlinda ou carruagem do tempo. A saber-se até onde sobreviverá a memória literária sob a tutela dos confrades. E como acudir a todos, a tantos, a quantos, na poeira do tempo, nos desvãos da desmemória?
Claro, há o fator tempo, os anos que passam e germinam o musgo ou a pátina do esquecimento, a par com o volume de valores emergentes e também o enxurro e a mesmice de obras de baixo teor ou mediana qualidade, nacionais e estrangeiras, que incrementam a dinâmica do mercado editorial e alimentam-lhe a ganância. Frenéticas, as editoras exploram o filão e abocanham o lucro, impondo aos autores nacionais as suas míseras condições de acolhida e comercialização.
Mas há, sobretudo, um certo desmazelo cultural no País, inerente ao resgate de autores valiosos, de ontem e de sempre. O descuido, a negligência, a ignorância. E quase ninguém se manifesta a respeito, não se faz nada de produtivo e necessário neste âmbito cultural, daí a pertinência da iniciativa de Nilto Maciel. Não deixa de ser também um gesto solidário, por solitário que seja, entreabrindo a cortina do silêncio e da empoeirada e surda indiferença.
A pesquisa de Nilto começa por sua terra-natal, o Ceará, com Moreira Campos, e bem sabe ele da extensão do problema a outros estados brasileiros. Uma certa mídia por vezes sacana (canalha, mesmo), de alguma forma irresponsável, babujando (babando, corrompendo a noção de valor) sobre obras-abobrinhas, chinfrins, ou meras e momentâneas mercadorias, de rápido consumo. Supervalorizando algumas baboseiras estrangeiras, entretenimento de cunho imediato, feito “fast food” (Coma!, coma!), sobretudo para o ingênuo consumo jovem ou de um público desinformado, desprovido de senso crítico, até beirando o ridículo. Entupidos de “comida” do entulho “cultural” alienígena, já não bastasse o entulho doméstico, e comporta(mentalmente) idiotizados por maneirismos estereotipados, numa repetida forma de fuga ao natural de si mesmos.
Coisas da indústria cultural de massa (como se diz) e de entretenimento, (re)pasto para o rebanho automatizado, movido a gasolina, adrenalina, estrogênio e testosterona. Ops!, que agora estou extrapolando, e me desculpo, que a coisa também não é bem assim,  sendo até “natural” que seja como é, e já também por termos sido (nós, os antigos) o  que hoje nos desagrada ao olhar. E o que vemos? Espelho, espelho meu, como você é feio! Franqueza honesta, como essa agora, não faz mal a ninguém. E por ser assim a “naturalidade” das coisas, tais como são, imagine-se se aqui eu começasse a falar de outros tipos de “combustíveis”, nefastos estimulantes à degradação, e maior o problema social, o contingente humano à míngua de assistência do poder público. Bem entendido, seria uma droga que eu assim falasse, pois não? Mas é disso que estou falando! (das drogas), e não estou copiando bordão de comediante “stand up” na TV, que já copiou de outros, possivelmente de algum filmeco norte-americano.
Por outro lado, amesquinha-se a mídia provinciana e já não divulga (ou divulga mal, até subestimando) os escritores emergentes, de qualidade promissora. E novos autores ou aqueles que vão se firmando com a literatura, ainda enfrentam a humana pequenez de uma gente miúda (da mídia impressa e televisiva), que se pauta por meras idiossincrasias e boicota a divulgação. A média, a mídia, o meio, a medida, à média luz. Os diversos meios de comunicação e difusão sociocultural, aos quais se agrega a frenética informação digital. A Rede. Ou pega-moscas?
Editoras há tão-somente esfomeadas por novidades de momento, ávidas de lucro (certo, estão no ramo e não vão perder a oportunidade), e por aí relegam ao limbo boa parte da nossa riqueza literária. E ainda as Academias de Letras, confrarias girando em torno dos próprios umbigos, sem maior zelo pelo acervo literário de qualidade — sem falar que, lamentavelmente, acolhem como membros algumas pessoas pouco recomendáveis ou representativas (políticos de caráter nada ilibado, por exemplo), e até bruxos escritores de pastiches, com mercado garantido, em detrimento de literatura mais qualitativa.
E por acaso se pensa que esse público que mal lê e essa parcela de juventude alienada estejam se importando com isso? Estão se lixando, como de praxe. Mesmo porque os tempos são outros, e os escritores em questão são antigos, alguns dos quais não serão resgatados, infelizmente. Permanecerão lá onde se encontram, no limbo, de fato ignorados, esquecidos ou pouco lembrados. Oh, tempos! Oh, costumes, diria Cícero, que foi degolado e cuja cabeça e mãos foram expostas na tribuna do Senado de Roma, do qual era porta-voz. Morto a mando do cônsul Marco Antônio, seu rival político.
Já por primeiro, o governo de cada estado, bem como o Ministério da Cultura, têm parte na cadeia de omissões para com os escritores esquecidos, ou não? Ocorrem-me, a propósito, nessa questão de resgate literário, aquelas antigas publicações ou co-edições de livros pelo INL, ou também não? Imperativo o resgate e cultivo de autores como Moreira Campos e tantos outros de bom quilate e calibre, todavia olvidados.
Particularmente meio que enfarado com o enxurro e mesmice atual — ressalvadas as exceções —, e mais seleto com as leituras, venho buscando os sebos, (re)adquirindo obras e retomando leitura de alguns autores que aprecio, tais como José Condé, Adonias Filho, Ricardo Guilherme Dicke (acabei de resgatar o romance “Caieira”, edição antiga), Herberto Sales, Hermilo Borba Filho, José J. Veiga (contos de seus dois primeiros livros, que eu não tinha mais). E (acredite!) somente agora adquiri e vou ler o premiado romance “Emissários do Diabo” (edição de 1974) do pernambucano Gilvan Lemos; também dele, e com tamanho atraso, intento encontrar a novela “A noite dos Abraçados”, pelo menos. Estou em busca de reaver obras de Valdomiro Silveira, Autran Dourado e outros nessa linha do meu agrado. E agora que Nilto Maciel buliu no baú, sairei a campo(s) pelas obras de Moreira.

Deste autor cearense (traduzidos para o inglês, francês, alemão, italiano e hebraico), já uma vez, há décadas, tive em mãos o livro de contos “O Puxador de Terço”, que pretendo reaver. Sei de outros títulos de sua autoria, também em volumes de contos, como “A Grande mosca no copo de leite” e “Dizem que os cães vêem coisas” — aprecio títulos assim; a arte de um livro começa pelo bom título, chamariz para a leitura, sobre uma capa igualmente sugestiva. Além dos títulos já citados, interessa-me ler “Vidas Mar­ginais” (1949), primeiro livro de Moreira Campos, e daí “Portas Fechadas”, “Vozes do Morto”, “Os 12 Parafusos”, entre outros. Bem se vê que Nilto Maciel levanta a lebre dos autores ignorados, como também da literatura esquecida, e não para que seja morta, como nas caçadas, mas sim para ser revivida, e não também que esteja morta, estando viva. Um tiro certeiro, digamos assim, de Nilto Maciel. No alvo da acomodada consciência cultural brasileira.


Como tema para reflexão, fecho este arremedo de ensaio com as palavras de Gilvan Lemos, que dizia não deixar Recife por dinheiro nenhum do mundo, a não ser que fosse para voltar ao São Bento do Una, que ele tinha como o seu paraíso: “Tenho amigos escritores, mas não faço vida literária, isto é, não pertenço a nenhum ´grupo´, nenhuma academia, não tenho coluna em nenhum jornal etc. Prefiro criar canários de briga.”

É isso aí, creio. Publique-se e dê-se livre trânsito pelas cidades, a quem interessar possa.

——
Valdivino Braz é jornalista, escritor e secretário-geral da União Brasileira de Escritores – Seção de Goiás.
Texto enviado pelo autor.

sábado, 27 de abril de 2013

Luís Augusto Cassas - Poema



Manifesto dos cupins


.....................................................


Já roemos vossa esperança
livros tradições museus
memória lembranças retratos
pés-de-cama caibros ratos

amanhã roeremos
vossos ossos


In. A Paixão segundo Alcântra. Rio de Janeiro: Imago, 2006, p.92.

Imagem retirada da Internet: cupins

sexta-feira, 26 de abril de 2013

Francisco Perna Filho - Poema





















REFÉM



A cidade tempestuosa,
a chuva banha.
Aflige o homem encerrado em latas de sardinhas,
cravado nos latões de lixo da cultura globalizada.
Refém de tiros, dispersos como sons,
e órfão da própria origem.
Pelos corredores se precipita:
com angústia e zelo pelo que já perdeu.
Uma faca,
uma chaga,
cravadas no seu coração,
reduzem-no ao abjeto da modernidade.
No escuro, tateia o grito do seu irmão operário
preso ao concreto de sua insignificância.
Por certo o homem desumaniza-se,
desorienta-se
é puro grito ancestral,
adormecido nos lábios pétreos da cidade.

In. Refeição. Goiânia: Kelps, 2001, p.76.
Imagem retirada da Internet

quinta-feira, 25 de abril de 2013

Luís Nicolau Fagundes Varela - Poema



Cântico do Calvário

À Memória de Meu Filho
Morto a l l de Dezembro
de 1863.


Eras na vida a pomba predileta
Que sobre um mar de angústias conduzia
O ramo da esperança. - Eras a estrela
Que entre as névoas do inverno cintilava
Apontando o caminho ao pegureiro.
Eras a messe de um dourado estio.
Eras o idílio de um amor sublime.
Eras a glória, - a inspiração, - a pátria,
O porvir de teu pai! - Ah! no entanto,
Pomba, - varou-te a flecha do destino!
Astro, - engoliu-te o temporal do norte!
Teto, caíste! - Crença, já não vives!

Correi, correi, oh! lágrimas saudosas,
Legado acerbo da ventura extinta,
Dúbios archotes que a tremer clareiam
A lousa fria de um sonhar que é morto!
Correi! Um dia vos verei mais belas
Que os diamantes de Ofir e de Golgonda
Fulgurar na coroa de martírios
Que me circunda a fronte cismadora!
São mortos para mim da noite os fachos,
Mas Deus vos faz brilhar, lágrimas santas,
E à vossa luz caminharei nos ermos!
Estrelas do sofrer, - gotas de mágoa,
Brando orvalho do céu! — Sede benditas!
Oh! filho de minh'alma! Última rosa
Que neste solo ingrato vicejava!
Minha esperança amargamente doce!
Quando as garças vierem do ocidente
Buscando um novo clima onde pousarem,
Não mais te embalarei sobre os joelhos,
Nem de teus olhos no cerúleo brilho
Acharei um consolo a meus tormentos!
Não mais invocarei a musa errante
Nesses retiros onde cada folha
Era um polido espelho de esmeralda
Que refletia os fugitivos quadros
Dos suspirados tempos que se foram!
Não mais perdido em vaporosas cismas
Escutarei ao pôr do sol, nas serras,
Vibrar a trompa sonorosa e leda
Do caçador que aos lares se recolhe!

Não mais! A areia tem corrido, e o livro
De minha infanda história está completo!
Pouco tenho de anciar! Um passo ainda
E o fruto de meus dias, negro, podre,
Do galho eivado rolará por terra!
Ainda um treno, e o vendaval sem freio
Ao soprar quebrará a última fibra
Da lira infausta que nas mãos sustento!
Tornei-me o eco das tristezas todas
Que entre os homens achei! O lago escuro
Onde ao clarão dos fogos da tormenta
Miram-se as larvas fúnebres do estrago!
Por toda a parte em que arrastei meu manto
Deixei um traço fundo de agonias! ...

Oh! quantas horas não gastei, sentado
Sobre as costas bravias do Oceano,
Esperando que a vida se esvaísse
Como um floco de espuma, ou como o friso
Que deixa n'água o lenho do barqueiro!
Quantos momentos de loucura e febre
Não consumi perdido nos desertos,
Escutando os rumores das florestas,
E procurando nessas vozes torvas
Distinguir o meu cântico de morte!
Quantas noites de angústias e delírios
Não velei, entre as sombras espreitando
A passagem veloz do gênio horrendo
Que o mundo abate ao galopar infrene
Do selvagem corcel? ... E tudo embalde!
A vida parecia ardente e douda
Agarrar-se a meu ser! ... E tu tão jovem,
Tão puro ainda, ainda n'alvorada,
Ave banhada em mares de esperança,

Rosa em botão, crisálida entre luzes,
Foste o escolhido na tremenda ceifa!
Ah! quando a vez primeira em meus cabelos
Senti bater teu hálito suave;
Quando em meus braços te cerrei, ouvindo
Pulsar-te o coração divino ainda;
Quando fitei teus olhos sossegados,
Abismos de inocência e de candura,
E baixo e a medo murmurei: meu filho!
Meu filho! frase imensa, inexplicável,
Grata como o chorar de Madalena
Aos pés do Redentor ... ah! pelas fibras
Senti rugir o vento incendiado
Desse amor infinito que eterniza
O consórcio dos orbes que se enredam
Dos mistérios do ser na teia augusta!
Que prende o céu à terra e a terra aos anjos!
Que se expande em torrentes inefáveis
Do seio imaculado de Maria!
Cegou-me tanta luz! Errei, fui homem!
E de meu erro a punição cruenta
Na mesma glória que elevou-me aos astros,
Chorando aos pés da cruz, hoje padeço!

O som da orquestra, o retumbar dos bronzes,
A voz mentida de rafeiros bardos,
Torpe alegria que circunda os berços
Quando a opulência doura-lhes as bordas,
Não te saudaram ao sorrir primeiro,
Clícía mimosa rebentada à sombra!
Mas ah! se pompas, esplendor faltaram-te,
Tiveste mais que os príncipes da terra!
Templos, altares de afeição sem termos!
Mundos de sentimento e de magia!
Cantos ditados pelo próprio Deus!
Oh! quantos reis que a humanidade aviltam,
E o gênio esmagam dos soberbos tronos,
Trocariam a púrpura romana
Por um verso, uma nota, um som apenas
Dos fecundos poemas que inspiraste!

Que belos sonhos! Que ilusões benditas!
Do cantor infeliz lançaste à vida,
Arco-íris de amor! Luz da aliança,
Calma e fulgente em meio da tormenta!
Do exílio escuro a cítara chorosa
Surgiu de novo e às virações errantes
Lançou dilúvios de harmonias! — O gozo
Ao pranto sucedeu. As férreas horas
Em desejos alados se mudaram.
Noites fugiam, madrugadas vinham,
Mas sepultado num prazer profundo
Não te deixava o berço descuidoso,
Nem de teu rosto meu olhar tirava,
Nem de outros sonhos que dos teus vivia!

Como eras lindo! Nas rosadas faces
Tinhas ainda o tépido vestígio
Dos beijos divinais, - nos olhos langues
Brilhava o brando raio que acendera
A bênção do Senhor quando o deixaste!
Sobre o teu corpo a chusma dos anjinhos,
Filhos do éter e da luz, voavam,
Riam-se alegres, das caçoilas níveas
Celeste aroma te vertendo ao corpo!
E eu dizia comigo: -  teu destino
Será mais belo que o cantar das fadas
Que dançam no arrebol, -  mais triunfante
Que o sol nascente derribando ao nada
Muralhas de negrume! ... Irás tão alto
Como o pássaro-rei do Novo Mundo!

Ai! doudo sonho! ... Uma estação passou-se,
E tantas glórias, tão risonhos planos
Desfizeram-se em pó! O gênio escuro
Abrasou com seu facho ensangüentado
Meus soberbos castelos. A desgraça
Sentou-se em meu solar, e a soberana
Dos sinistros impérios de além-mundo
Com seu dedo real selou-te a fronte!
Inda te vejo pelas noites minhas,
Em meus dias sem luz vejo-te ainda,
Creio-te vivo, e morto te pranteio! ...

Ouço o tanger monótono dos sinos,
E cada vibração contar parece
As ilusões que murcham-se contigo!
Escuto em meio de confusas vozes,
Cheias de frases pueris, estultas,
O linho mortuário que retalham
Para envolver teu corpo! Vejo esparsas
Saudades e perpétuas, - sinto o aroma
Do incenso das igrejas, - ouço os cantos
Dos ministros de Deus que me repetem
Que não és mais da terra!... E choro embalde.

Mas não! Tu dormes no infinito seio
Do Criador dos seres! Tu me falas
Na voz dos ventos, no chorar das aves,
Talvez das ondas no respiro flébil!
Tu me contemplas lá do céu, quem sabe,
No vulto solitário de uma estrela,
E são teus raios que meu estro aquecem!
Pois bem! Mostra-me as voltas do caminho!
Brilha e fulgura no azulado manto,
Mas não te arrojes, lágrima da noite,
Nas ondas nebulosas do ocidente!
Brilha e fulgura! Quando a morte fria
Sobre mim sacudir o pó das asas,
Escada de Jacó serão teus raios
Por onde asinha subirá minh'alma.




Fonte: Jornal de Poesia
Imagem retirada da Internet: flower