domingo, 18 de novembro de 2012

S. Quasimodo - Poema

 
Agora que vem o dia

Finda é a noite e a lua
desata-se lenta no sereno,
se esconde nos canais.

     Tão vivo é setembro nesta terra
de planura, e verdes os prados
como nos vales do sul a primavera.
Deixei os amigo,
o coração escondi atrás de velhos muros,
para ficar só e recordar-te

      És mais distante do que a lua,
agora que o dia irrompe
e batem nas pedras cascos de cavalos!


Tradução de Dora Ferreira da Silva
Pintura de Nicoletta Tomás