sábado, 18 de agosto de 2012

Léa Madureira Lima - Poema



Vicente Celestino
RONDA


O bar fecha a porta varrendo o boêmio
No canto do sonho a mágoa deságua
Notívago oscila entregue ao relento
Fiel ao profano o copo quebrado

Primeiros apitos manhã clara e fria
À sombra do espólio das dores dissídios
Os passos encontram em busca do ofício
Escalam muralhas de tédio e conflito

O ébrio e o sóbrio fantasmas despertos
À ronda incessante de seus mamulengos
Na trama insuspeita às ruas conscritos
Encontram o verbo derrubam seus mitos

Fonte: O Trem