sexta-feira, 24 de agosto de 2012

J.R. Jiménez - Poema


Vigília



Afasta-se a noite, negro touro
- carne espessa de luto, de espanto e de mistério -;
que bramiu terrível, imensamente,
ao temor suarento de todos os caídos;
e vem o dia, criança florida,
pedindo confiança, amor e sorriso,

   - criança que, na distância,
nos arcanos onde
o princípio se encontra com o fim,
brincou por um momento,
não sei em que prados
de luz e sombra,
com o touro que fugia.

Tradução de Dora Ferreira da Silva

Imagem retirada da Internet: touro