sexta-feira, 20 de abril de 2012

Paul Chamberland (Poeta Canadense) - Poema




Fotoby Allan Teger


Terra de Québec


Entre nós o país


as primaveras eram suaves sim
suaves salobras primaveras de minha terra
uma lenta penúria de carvão passava entre os nossos corpos sim eu te amava eu sofria os sóis estavam presos uma lenta penúria de carvão diluía a aurora entre os nossos dentes
tu te lembras
eu ia aos teus lábios como quem volta à fonte e sempre sobre o rastro mudo caía a sombra
mortalmente ferida
da única passagem de nosso amor
ó tu e eu rios sempre divergentes sobre o luto infinito das docas
e o exílio dos longos gritos do pássaro afogado na poça da alvorada.


Tradução de Ivo Barroso - poeta, ensaísta e tradutor. Traduziu mais de quarenta livros, entre eles vários de poesia, como os Sonetos, de Shakespeare, Os Gatos de T. S. Eliot, o Diário Póstumo de Eugenio Montale e Hipóteses de Amor de Annalisa Cima.