quarta-feira, 14 de março de 2012

Manoel Bueno Brito (Nequito) - Poema

 

República dos sonhos


Para Nélida Piñon



Esperança,
que armas se levantam
das palavras que acendes
na boca da noite iminente?

Antígona, renascida
de outra tempestade,
?como enfrentar a lei
na alma da cidade morta?

O que não direi
ao rei: se rei,
serei indiferente?

Imagem retirada da Internet: Antígona