sábado, 17 de março de 2012

José Geraldo Neres - Poema



UMA SEMENTE



corpo de lábios líricos
a se enterrar na carne do meu canto 
a criar a sede do abismo
& a queda desenfreada
a linguagem despe a morte
silêncio a se mover num cardume de sonhos
a se abrir num par de olhos
caminho a ser nomeado
a mergulhar os relógios nos lábios das horas noturnas
o outro
lâmina a respirar meus passos
& a morder a cauda da madrugada
& sentir nesses lábios as vozes das cores
a língua do horizonte um grito assassino
enterra-se na carne do meu canto



josé geraldo neres, do livro "Outros silêncios" (Escrituras, 2009).

Imagem retirada da Internet: IPlay.com.br