quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Tomás de Iriarte (1750-1791) - Poema


 
A uma dama muito abrigada


Enquanto, suave, a primavera passa,
teu decote é zeloso, na abertura,
mas ao verão ardente, sem censura,
ele entremostra toda a tua graça!

Depois o outono chega e tudo embaça...
Então, vai se fechando, te enclausura,
e ao vir o duro inverno, com usura
ciumento, ao teu pescoço ele se enlaça.

Renego este tempinho - madrilenho
de longo inverno e de tão longos xales...
(Sou ilhéu! meu protesto não contenho!)

Mas socorrer-me está em tua mão:
mesmo em novembro, espero, me regales
com o presente de um dia de verão!

Tradução de J. G. de Araújo Jorge

Fonte: Clube da Poesia
Imagem retirada da Internet: decote