quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Cássia Fernandes - Poema

Cássia Fernandes
Os dias




Quatro dias de sono na roça.
A pele descansada,
porque não peguei no cabo da caneta
nem me pegaram para enxada.
Apenas capinei os ares.
Apartei-me cedo do gado.
Preparei silos
para os dias de estio
que se seguirão.
Dei de beber aos cavalos,
curando as feridas dos cascos
e desfazendo os nós das crinas,
e assim pretendendo temporariamente
persuadi-los
a não dispararem estúpidos
pelos pastos,
atrás de capim verde
e miragens de vacas e meninas.
Tudo isso me descansou o corpo,
mas ainda assim a alma,
essa não tem repouso,
nem com sono, nem com feriado.
Talvez um dia, quem sabe,
ou mais tarde,
num Pouso Mais Alto.