domingo, 26 de fevereiro de 2012

Marinalva Barros - Poema


Convite

 
Convido você a saltar paredões
e atravessar redemoinhos.
O susto da queda não deverá nos matar
se a sua mão segurar a minha.

Em breves instantes
o seu corpo e o meu se reconhecerão
no leito úmido e quente
do fundo das águas,

voltar à tona será tão somente
uma peripécia de amor.
Estaremos de volta
antes do por-do-sol.
Prometo.

Imagem retirada da Internet: mãos dadas