sábado, 28 de janeiro de 2012

Gerardo Mello Mourão - Poema


 EVA




Adormecera à beira do riacho
e o sonho e a flor dessa maçã
da primeira saudade - do primeiro desejo do mundo
habitavam seu sono.

Despertara - e dela despertaram
um tato uns olhos um perfume - e o véu
dos cabelos cobria ancas
seios nunca vistos:

Eva bailava sobre chão de folhas

desde então
desde sono e sonho se incorpora sempre
ao homem sonhador o sortilégio
da primeira mulher
coisa e criatura e criadora
de seus tatos seus aromas - aflição e festa
de estrelas na pupila.

                                           Copacabana - 29-7-98

Imagem retirada da Internet: Eva