quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Francisco Perna Filho - Poema


VIDENTE



O olho
que vê o não visto
precipita-se
na visão do que não há.

A luz
que trespassa a ausência
converte-se
em ponto cego.

A palavra
que transcende o real
magnifica-se
em metáforas silentes.


Imagem retirada da Internet: Olho