sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Gerardo Melo Mourão - Poema


Foto by Francisco Javier Alcerreca - Pétala seca
PEQUENA ODE A UMA PÉTALA SECA OU
 A ESPERADA RESSURREIÇÃO DA ROSA




Entre folhas de versos de Propércio¹
jaz a pétala seca a flor enxuta;
a rosa úmida e inteira jaz na gruta
do amor e da memória do poeta.

O que era rosa agora é quase espinho
e na pétala seca o que se oculta
é uma rosa de sonhos insepulta
um pássaro do qual só resta o ninho.

Talvez um dia, amor, orvalho e aurora
à mão da musa que a colheu em flor
ressuscitem aroma e forma e cor
e rosa torne a ser o que foi rosa outrora.

Talvez um dia a flauta antiga sopre Orfeu
e à pétala fiel as que se foram, voltem
e da corola nunca mais se soltem
e o rouxinol torne a cantar no ninho seu.

                                             
  Copacabana, 29/11/97




1- Wikipédia: Sextus Aurelius Propertius (43 a. C. - 17 d. C.) foi um poeta elegíaco e mitógrafo romano nascido em Assis, Úmbria, Itália, representante da antiga escola de Calímaco e o mais característico da poesia elegíaca latina.


In. Algumas Partitura. Rio de Janeiro: Topbooks, 2002, p.41.