domingo, 20 de novembro de 2011

Francisco Perna Filho - Poema



MAÇÃ


A maçã de Gregor Sansa,
maçã lírica de Bandeira,
maçã na geladeira,
em cima da mesa,
no café da manhã.
A maçã amarelada,
maçã verde
encarnada.
Maçã do rosto,
do desgosto,
da sabedoria,
de Adão e Eva.
Maçã de ouro,
Pomo da discórdia,
da imortalidade
no Jardim das Haspérides.
Maçã do Canto dos Cânticos,
da fecundidade divina.
Maçã metálica,
poética,
maçã da vida,
sintética.
Robótica,
virtual.
Maçã inspirada
de Jobs,
fotográfica,
de jornal.
Maçã mordida,
cortada,
comida,
abusada.
Maça científica
mágica,
espiritual.
Maçãs azuis
dos meus sonhos,
todo bem,
todo mal.



Imagem retirada da Internet: Maçã