terça-feira, 25 de outubro de 2011

Sandra Falcone - Poema



A velha loba

 
a velha loba
defina-se a cada passo
trôpega
soberba

lentamente
abandona-se no chão
aconchegando-se
nas próprias feridas

um uivo
longo
duido
libertador
rompe a alma
selvagem
e arrepia suavemente
a savana

ao longe
a matilha caminha
inexorável