terça-feira, 6 de setembro de 2011

Valéria Nogueira Eik - Poema


Na rede 


Meu corpo aninhado nos braços da rede
vai sentindo o balançar sossegado
deste leito que é o ódio
desta cama que é o amor.
Rede que range os dentes
e sibila rouca e lentamente:
ódio que vai
ódio que vem
ódio que vai
ódio que vem.
E neste odiar cheio de razão
ela me ensina docemente
que a lâmina fere
que a lâmina cura. 





In. Jornal de Poesia
Imagem retirada da Internet: rede