quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Francisco Perna Filho - Poema


Para o meu filho, distante



Cada vez que meu filho se vai
É como um pedaço de mim que se solta,
Como a carne talhada à faca,
Nunca é a mesma.

Cada vez que meu filho se ausenta,
Fico mais limitado no olhar,
É o como se tudo se tornasse distante,
Não me permitindo alcançar a beleza do grito.

Sempre que fico só, sem o meu filho,
Algo em mim se torna frio,
Torno-me silencioso e triste,
Não sabendo recompor-me em tanta ausência.

Sempre que fico assim, só, sem o meu filho,
Passo a buscá-lo no espelho,
Tentando encontrar no meu rosto
Sombras do que se foi.

Imagem retirada da Internet: trilhos