sábado, 30 de julho de 2011

Valdivino Braz - Poema


As jóias de Netuno


surdo rumor de ondas se avoluma
para os estrondos de espuma;
estilhaços de fúria fragmentária,
os cristais feito jóias,
perdigotos de Netuno.
Fraturas de oceano,
salso cuspe de espuma e louça,
os nácaros, côncavos destroços.
O que há de maestro e música,
além do bramor de monstro,
nisto de Atlântico.
Sinistra massa, mista
de crustáceos e moluscos -
lagostos pedúnculos de antênulas,
caco de acéfalos hipocampos,
espongiários espantos.
De hábitos solitários e anêmonos,
de celeteradas pedras,
isto de florir-se
o reito das actíneas.
Outra é água-viva,
mija-vinagre,
urtiga-do-mar,
isto de queimar.
Transparência de gelatina,
e de secreto nas entranhas marinhas,
as coisas-medusas,
tanto quanto não ser
a vida um mar de rosas.
Umas formas eriçadas,
uns ouriços,
uns crespos de abrir-se e fechar-se
- de não-me-toques -,
marinhos espinhos.
E coisoutras peludas,
isto análogo púbis,
estranhos novelos de quelíceras.
Uns mijos de esponja,
de Nadja,
de nojo.
Umas pérolas nada pérolas,
num colar de búzios.
Com a fileira de pés ambulacrários,
a esdruxula estrela,
uma crosta, uma casca,
parece que morta.
Vergue-se-lhe, entanto, o centro,
ei-la que ressuscita:
ondula-se o mar de áspero dorso,
onde varetas possibilitam
articula-se o dentro,
e pena é vê-lo ondular-se,
por certo que de dor,
isto de só restar devolvê-lo ao mar,
arremessá-lo feito disco voador.


In. Brasil, Assis. A poesia Goiana no século XX. Rio de Janeiro:Imago/Fundação Cultural Pedro Ludovico Teixeira. 1997, p.201-2.
Imagem retirada da Internet: fauna submarina