sexta-feira, 22 de julho de 2011

Mário Chamie - Poema


PEDREGOSA ROSA


A mão sorridente
sobre a boca
vertiginosa
põe os dedos efusivos
sobre a pétala
desta rosa pedregosa.

Não é a faca florida
a faca que mais corta
a cauda dessa rosa
rancorosa.

O não indecente
da hora
suspira e se afoga
no fofo dessa toca,
a cálida areia rósea
desta porosa pedra
vaporosa.

Por obra da hora
a mão insolvente
da pétala
floresce e afaga
a boca rochosa
de arestas na pedra
desta pétrea raivosa
rosa.


In. Caravana Contrária. São Paulo: Geração Editorial, 1998.
Imagem retirada da Internet: Lírio do campo