quinta-feira, 28 de julho de 2011

Itamar Pires Ribeiro - Poema


ESBOÇO 1


Nos escava fundo, irriga
de sol e cachaça, de dor e sombra
e nos abandona, doa, à toa,
a outras fomes, um repertório
de beijos sem rumo, outras bocas
fomes que puem a roupa,
que gastam a cara,
nos soterra em terra alheia
cheia de jagunços,
grão que somos então, um casulo
um acaso de pólvora junto ao fogo,
amor irriga de sangue
a clara nata do olhar
uma veia vital no cristal do olho,
mancha sem explicação no mármore da deusa.
Palas Athena, quando te entenderemos?


In.A Arte de Pintar Elefantes. Goiânia: AGEPEL (Pali-palã), 2000,p.41.
Imagem retirada da Internet: casulo