segunda-feira, 18 de julho de 2011

Francisco Perna Filho - Poema


Show de graça



O ser, capenga,
capina.
A mata, em riste,
resiste.
Na lâmina cega,
o reflexo de mais um capítulo
de devastação.

Tão desolado,
do outro lado,
o homem fica.
Sentenciado,
brinca de ser humano.

A lua olha
o cambaleante homem,
que perfila tombos pela avenida.
Numa igreja à vista,
uma placa indica:
Show de graça!


Sem pagar ingresso,
ele entra,
senta-se,
chora,
morre de rir.




In. Refeição. Goiânia: Kelps, 2001
Imagem retirada da Internet: Palhaço