quarta-feira, 13 de julho de 2011

Francisco Perna Filho - Poema

Renda de Bilro
Texto



I



Ser camisa ao avesso,
costura da qual se veem os pontos,
tecido ordinário nas mãos da tecelã.
Vida que se cruza entre um bilro e outro,
no tecido das grandes fazendas,
na tintura de urucum.
Ser pano rasgado,
esquecido nas achas de lenha,
no choro de menino nascido,
no bordado da vida: renda.
Ser costura de rio,
na linha de vento,
tecendo em cada porto as manhãs de banzeiro,
em pontos de cruz.

                                                                       

II 



Ser...
e costurar o enredo dos homens,
na procissão das ideias,
no sal amargo dos bóia-frias,
em pontos de cruz.
Tecido de entranhamento,
de estranhamento,
no cascalho da estrada,
sob o esguio olhar dos que andam a pé.
Reticência no texto-não-feito,
dos que definitivamente nunca serão.
Costura.
Ponto.
Entre uma vírgula e outra o ser pasma
no alheamento de sua existência.



In. Refeição. Goiânia: Kelps, 2001.
Imagem retirada da Internet: bilro