terça-feira, 12 de julho de 2011

Francisco Perna Filho - Poema


Fotografia



O relógio deu nove horas.
Um alarido de tempo aprisionado alertou as manhãs,
apavorou as cidades,
temporizando os visitantes.
O grito das horas determinou o aprendiz,
pasmou o homem céptico
na vigília de sua contemporaneidade.
O dia se fez aprisionar,
o embaraço do trágico ficou preso
ao ecúleo dos bêbedos,
à desilusão das prostitutas
na anacronia da exploração.
O grito emudeceu/umedeceu-se.
Algumas vidas foram preservadas
antes dos disparos.
Falem agora ou calem...
o soco parou no meio do caminho,
o beijo perpetuou-se,
A gafe foi congelada para não haver perdão.
O agora eternizou-se.