quarta-feira, 6 de julho de 2011

Francisco Perna Filho - Poema

[edificios-em-s.paulo-sp-brazil800.jpg]
Insone



As ruas nunca dormem.
Não há tempo para isso,
guardam os prédios que se esvaem em sono vertical.
Os porteiros não dormem nunca.
Não há tempo para isso,
guardam os donos nidificados
em sonhos de existência.
As mães nunca dormem,
velam os filhos errantes em bares e becos obscuros.
Os famintos,
os guardas,
as prostitutas,
assim como os cães,
exercem a insônia da sobrevivência.
Pelos olhos insones de todos estes
meus olhos vêem o inominado,
o imaterializável.
E, por muito ver,
meus olhos nunca dormem.



Imagem retirada da Internet: prédios