domingo, 31 de julho de 2011

Darcy França Denófrio - Poema


Foto by Sinésio Dioliveira


Ínvio lado




Há um lado da flor
que não penetramos:
talvez a reserva sitiada
onde guarda seu aroma.

Quase sempre esbarramos
em seus ferrões de defesa
e sangramos nossa dor
pela ponta dos espinhos.

E aí então paramos
e olhamos só por fora
a beleza que se entrega
com sua cota de reserva.

É do outro lado (do mistério)
que não alcançamos
que a flor explode
em toda sua grandeza.

É lá que se contorceu
e guardou sua história
e sangrou as suas gotas
e a solidão que (sobre) carrega.

Quem olha uma flor
ou um ser desabrochado
vê um prisma (feio ou lindo)
jamais o seu lado.
                       inviolado.



In.BRASIL, Assis. A Poesia Goiana no século XX. Goiânia:Fundação Cultural Pedro Ludovico Teixeira/Rio de Janeiro: Imago, 1997, p.153.

sábado, 30 de julho de 2011

Valdivino Braz - Poema


As jóias de Netuno


surdo rumor de ondas se avoluma
para os estrondos de espuma;
estilhaços de fúria fragmentária,
os cristais feito jóias,
perdigotos de Netuno.
Fraturas de oceano,
salso cuspe de espuma e louça,
os nácaros, côncavos destroços.
O que há de maestro e música,
além do bramor de monstro,
nisto de Atlântico.
Sinistra massa, mista
de crustáceos e moluscos -
lagostos pedúnculos de antênulas,
caco de acéfalos hipocampos,
espongiários espantos.
De hábitos solitários e anêmonos,
de celeteradas pedras,
isto de florir-se
o reito das actíneas.
Outra é água-viva,
mija-vinagre,
urtiga-do-mar,
isto de queimar.
Transparência de gelatina,
e de secreto nas entranhas marinhas,
as coisas-medusas,
tanto quanto não ser
a vida um mar de rosas.
Umas formas eriçadas,
uns ouriços,
uns crespos de abrir-se e fechar-se
- de não-me-toques -,
marinhos espinhos.
E coisoutras peludas,
isto análogo púbis,
estranhos novelos de quelíceras.
Uns mijos de esponja,
de Nadja,
de nojo.
Umas pérolas nada pérolas,
num colar de búzios.
Com a fileira de pés ambulacrários,
a esdruxula estrela,
uma crosta, uma casca,
parece que morta.
Vergue-se-lhe, entanto, o centro,
ei-la que ressuscita:
ondula-se o mar de áspero dorso,
onde varetas possibilitam
articula-se o dentro,
e pena é vê-lo ondular-se,
por certo que de dor,
isto de só restar devolvê-lo ao mar,
arremessá-lo feito disco voador.


In. Brasil, Assis. A poesia Goiana no século XX. Rio de Janeiro:Imago/Fundação Cultural Pedro Ludovico Teixeira. 1997, p.201-2.
Imagem retirada da Internet: fauna submarina

sexta-feira, 29 de julho de 2011

Heleno Godoy - Poema


O ESPELHO




Diante de um espelho não se põe
um sujeito, mas uma linguagem.

Nele não se articula um rosto,
mas uma fala comprometida.

O espelho não é, pois, inocente,
reflete o abismo de uma ousadia,

o jogo narcísico de uma mentira,
a ânsia de uma farsa, o medo

de uma falha, o fio branco de um
engodo recente ou centenário,

e o medo, na própria articulação
de suas angústias irresolvidas.


In. A Ordenação dos Dias. Goiânia:Puc Goiás/Kelps,2009, p.59.
Imagem retirada da Internet: espelho

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Itamar Pires Ribeiro - Poema


ESBOÇO 1


Nos escava fundo, irriga
de sol e cachaça, de dor e sombra
e nos abandona, doa, à toa,
a outras fomes, um repertório
de beijos sem rumo, outras bocas
fomes que puem a roupa,
que gastam a cara,
nos soterra em terra alheia
cheia de jagunços,
grão que somos então, um casulo
um acaso de pólvora junto ao fogo,
amor irriga de sangue
a clara nata do olhar
uma veia vital no cristal do olho,
mancha sem explicação no mármore da deusa.
Palas Athena, quando te entenderemos?


In.A Arte de Pintar Elefantes. Goiânia: AGEPEL (Pali-palã), 2000,p.41.
Imagem retirada da Internet: casulo

quarta-feira, 27 de julho de 2011

terça-feira, 26 de julho de 2011

Lau Siqueira - Poema



razões noturnas





os dias devoram nosso medo
aves de vôo longe que somos

...ilhas de pouco mar
pensamentos ancorados
à beira bar

alimentos de sombra e luz
sobre as varandas


distâncias alimentadas
pelo esgar do infinito


(respiramos fuligem e
certa dose imantada
de coisas que irão
compor profusões do
tempo que nunca irá
permanecer entre o
sol e a escuridão sem
luar)


a vida carrega
algumas metades de cada
metade morta

In. Poesia Sim
Imagem retirada da Internet: vela

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Amadeus Amado - Poema


Impressões


A rua vazia veloz:
os carros pararam no tempo
e os homens aguardam o verde sinal.
Casas resistem indiferentes
ao menino que brinca sozinho na escada.
Um céu de domingo,
um guarda sonâmbulo,
um olhar enviesado,
uma mulher confere as roupas no varal.
Nada sabem da minha solidão. 

Imagem retirada da Internet: rua vazia

domingo, 24 de julho de 2011

Mário Chamie - Poema


A CARNE É CRÁPULA

A carne é crápula
sob o olho cego
do desejo.

A carne é trôpega
se fala sob o pêlo
de outro desejo alheio.

A carne é trêmula
e fracta.
Crina de nervos,
veneno de víbora,
a carne é égua
sob o cabresto
de seus incestos
sem freios.

Fálica e côncava,
intrépida e férvida,
a carne é estrábica
nos entreveros
do sexo
com seus desacertos
conexos.

Sob o olho
sem mácula e cego,
a carne é crápula
nos arpejos
indefesos
de seus perversos
desejos.



In. Caravana Contrária. São Paulo: Geração Editorial, 1998.
Imagem retirada da Internet: sensual

sábado, 23 de julho de 2011

Marinalva Barros - Poema

GEDC0348.JPG

POEMA DE AMOR E RIO VI



As digitais de um rio
Tatuaram meu espírito
Sou por isso matizada,
Povoada de estações

Afeita a cidades antigas
E ruas estreitas.
Alinhavada de correntezas. 


Rio Tocantins - Praia do Prata - by Francisco Perna Filho

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Mário Chamie - Poema


PEDREGOSA ROSA


A mão sorridente
sobre a boca
vertiginosa
põe os dedos efusivos
sobre a pétala
desta rosa pedregosa.

Não é a faca florida
a faca que mais corta
a cauda dessa rosa
rancorosa.

O não indecente
da hora
suspira e se afoga
no fofo dessa toca,
a cálida areia rósea
desta porosa pedra
vaporosa.

Por obra da hora
a mão insolvente
da pétala
floresce e afaga
a boca rochosa
de arestas na pedra
desta pétrea raivosa
rosa.


In. Caravana Contrária. São Paulo: Geração Editorial, 1998.
Imagem retirada da Internet: Lírio do campo

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Mário Chamie - Poema



QUEDA INTERIOR


Se a queda é livre
o medo da queda
é preso.

Livre é a queda
sem embaraço
defeso.

A queda
de um homem
tenso
não é a guerra
do Peloponeso
pelo estreito
de um coração
perverso.

A queda
livre
é o próprio peso
de um coração
suspenso.

Toda queda
é o menosprezo
de quem cai
sobre si mesmo.


Fonte: Antônio Miranda
Imagem retirada da Internet: Chámie

terça-feira, 19 de julho de 2011

Mário Chamie - Poema

 
AUTO-ESTIMA


Sou Chamie,
venho de Damasco.
Franco-egípcio
é o meu passado.
Sírio sou helenizado.

De Damasco
ao meu legado,
sou católico
e islâmico,
copta apostólico
catequizado.

No pórtico
mediterrânico,
sou ático e arábico.
Vou contra o deserto
de desafetos contrários.

Sem custo nem preço
que se meça,
em nome de meu gênio
atlântico e adriático,
desprezo a cabeça
e a sentença
de meus adversários,
adversos e vicários.

Sou Chamie, Mário.
Franco-egípcio
é o meu passado.
Por onde entro,
venho de Damasco
pela porta
do apóstolo Paulo.
Sírio sou helenizado.
Venho de Damasco,
por onde saio.



In.Caravana Contrária. São Paulo: Geração Editorial,1998. (Fonte Antônio Miranda)
Imagem retirada da Internet: Chámie

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Francisco Perna Filho - Poema


Show de graça



O ser, capenga,
capina.
A mata, em riste,
resiste.
Na lâmina cega,
o reflexo de mais um capítulo
de devastação.

Tão desolado,
do outro lado,
o homem fica.
Sentenciado,
brinca de ser humano.

A lua olha
o cambaleante homem,
que perfila tombos pela avenida.
Numa igreja à vista,
uma placa indica:
Show de graça!


Sem pagar ingresso,
ele entra,
senta-se,
chora,
morre de rir.




In. Refeição. Goiânia: Kelps, 2001
Imagem retirada da Internet: Palhaço

domingo, 17 de julho de 2011

Francisco Perna Filho - Poema




                                               
MONTANHA



A palavra pesada
persegue a pedra,
revela o austero pulsar do silêncio
e, com ele, inaugura um olhar de montanha.
Do alto, a alma encanta-se
e o olhar precipita-se em direção ao luzir da cidade.
Do baixo, o corpo, enfermo, claudica
e os braços perdem-se na impotência primordial
de uma escalada.
A montanha é sentida
e nela diviso o inferno e o paraíso
da Babel recriada.
Estando no centro,
a minha alma assesta a caverna
na recomposição do paraíso Dantesco.
Dessa forma,
a montanha enternece o poeta
e a palavra mais leve
revela a montanha/palavra
Refletida no olhar.


In. Refeição. Goiânia: Kelps, 2001.
Imagem retirada da Internet: Montanha

sábado, 16 de julho de 2011

Francisco Perna Filho - Poema


Duplo 





Faz frio,
fina a pele fica,
o filho dorme.
Há calma,
são secretos os sonhos.
A mulher suspira,
liberta de tudo revela esperança
nos graciosos gestos.
O sono não vem,
invento palavras.
Meus olhos coalhados secam a noite.
Barcos invadem minha sala,
Aviões-de-guerra sobrevoam a minha cabeça.
caminhos me levam para fora de mim,
viajo.
Não há como entender.
Pessoas conversam,
olho,
nada vejo.
Pássaros libertam-se-lhes os cantos.
Vôo.
O filho chora,
faz frio.
Há uma escuridão perpetuada.
Manhã pesada.
Sou pura distração:
afastado de toda racionalidade
observo os pés do sofá.
Alguns passos, passo pela porta do quarto
e contemplo o meu corpo
petrificado no espelho da sala.
Reflito um abraço e vou dormir.



In. Refeição. Goiânia: Kelps, 2001.
Imagem retirada da Internet: Magritte

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Francisco Perna Filho - Poema

Transformação



Peixe na linha,
rima de pescador.
Encontro de águas e arco-íris.
Rio quebrado nas voltas dos olhos,
no piscar dos barcos,
na manga de chuva.
Perpetuado no mormaço da existência.
Os olhos observam o ritmo:
na rima quebrada de peixe fugido,
na desalegria de morte escapada,
na deselegância de mesa-objeto, sem pão.
O rio continua
no riso pálido do pescador extático,
no hiato das culturas,
na incontinência dos jovens poetas.
Linha, água.
Peixe, anzol.
Pescador.



In. Refeição. Goiânia: Kelps, 2001.
Imagem retirada da Internet: peixe

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Francisco Perna Filho - Poema


Navegante




  I                                                            


Meu coração é um navio azul,
alimentado de velhas caixas e revistas.
Nas pulsações mais fortes,
mergulha nos tomates podres das feiras
e velhos mercados.
Compraz-se nas garrafas abandonadas
de molhos e cervejas.
O mar que o transporta tem cor de chumbo.
Possui salas radiantes
que a ele não são dadas conhecer.
Meu coração navega nesse mar de coisas.


                                                         
 II


Navio azul
trazendo a dor de longínquas cidades.
olhar de descobrimentos.
Plúmbeo mar!
conduz esta minha embarcação
pelos portos tremeluzentes de orgasmos e discórdias.
Pelos asilos, presídios e manicômio.
Grande mar!
dai a esta embarcação
um pouco da tua força,
um pouco da tua alma
para um aprendizado de maresia

Imagem retirada da Internet: janela

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Francisco Perna Filho - Poema

Renda de Bilro
Texto



I



Ser camisa ao avesso,
costura da qual se veem os pontos,
tecido ordinário nas mãos da tecelã.
Vida que se cruza entre um bilro e outro,
no tecido das grandes fazendas,
na tintura de urucum.
Ser pano rasgado,
esquecido nas achas de lenha,
no choro de menino nascido,
no bordado da vida: renda.
Ser costura de rio,
na linha de vento,
tecendo em cada porto as manhãs de banzeiro,
em pontos de cruz.

                                                                       

II 



Ser...
e costurar o enredo dos homens,
na procissão das ideias,
no sal amargo dos bóia-frias,
em pontos de cruz.
Tecido de entranhamento,
de estranhamento,
no cascalho da estrada,
sob o esguio olhar dos que andam a pé.
Reticência no texto-não-feito,
dos que definitivamente nunca serão.
Costura.
Ponto.
Entre uma vírgula e outra o ser pasma
no alheamento de sua existência.



In. Refeição. Goiânia: Kelps, 2001.
Imagem retirada da Internet: bilro

terça-feira, 12 de julho de 2011

Francisco Perna Filho - Poema


Fotografia



O relógio deu nove horas.
Um alarido de tempo aprisionado alertou as manhãs,
apavorou as cidades,
temporizando os visitantes.
O grito das horas determinou o aprendiz,
pasmou o homem céptico
na vigília de sua contemporaneidade.
O dia se fez aprisionar,
o embaraço do trágico ficou preso
ao ecúleo dos bêbedos,
à desilusão das prostitutas
na anacronia da exploração.
O grito emudeceu/umedeceu-se.
Algumas vidas foram preservadas
antes dos disparos.
Falem agora ou calem...
o soco parou no meio do caminho,
o beijo perpetuou-se,
A gafe foi congelada para não haver perdão.
O agora eternizou-se.

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Francisco Perna Filho - Poema

Espelho



As palavras são alarme da alma
irremediavelmente estou enredado nelas.
Palavras que calam,
que bradam,
que insinuam e desnudam.
Estou dividido.
Fito os vocábulos
e alinhavo
o meu querer.
Espelhadamente estou bem.


Imagem: René Magritte "O Duplo Secreto" (1927)

domingo, 10 de julho de 2011

Francisco Perna Filho - Poema


Registro


O toque,
a primeira impressão:
Digital.
Imperceptível
ela passa do dedo para a pele.
Na pele  impressa e na pressa da ida
o registro do olhar.
O corpo,
o primeiro abraço fica,
mesmo sem querer o corpo
absorve o cheiro do outro.
A alma,
bastou uma impressão para ser descoberta.
As outras impressões
são apenas papéis.


In. Refeição. Goiânia: Kelps, 2001.
Imagem retirada da Internet: digital

sábado, 9 de julho de 2011

Francisco Perna Filho - Poema


By Edward Hopper


Errabundo



Eis meu corpo,
não vos ofereço.
Santificado não fora,
tornara-se errabundo e fértil.
Feito de todos os metais,
fora navegante sempre,
conquistador.
Buscou n’alma o outro;
na alegria, a estrada;
na gruta, o vício.
A vós, nada pode ofertar.
Livre de toda vestimenta,
sempre foi sombra
e com as sobras do mundo
fez sua última ceia.
De vós nada quer.
Em mim, somente em mim,
celebra o ócio.
Desconhece qualquer outra sorte
que não o vício.
Com ele celebro o mundo e sou.
De vós nada quero.


In. Refeição. Goiânia: Kelps, 2001

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Francisco Perna Filho - Poema

Velho homem
Foto by Paulinho Cé


Em vias




Pelo corredor do hospital
grande luta é travada:
a alegria do menino sereno
fora atropelada pelo monótono
amargor da velhice.
Não sabeis a quem recorrer.
Não basta o grito rumoroso de socorro
no perene desespero de quem avança
pelos rios do envelhecimento/envilecimento.
Ninguém ouvirá vosso grito.
Melhor não tivésseis memória,
porquanto não sofreríeis agora.
Todos os sóis que canonizastes
foram se perdendo nos secos galhos
de outono.
E a firme voz que tínheis
fora brutalmente amarfanhada e esquecida.
A estrela que sempre vos guiara,
petrificou-se em um bar qualquer
para seguir os errantes caminhos da noite.
Não tereis como vos socorrer.
Quebrastes todos os vossos espelhos,
rasgastes todas as fotografias da vossa infância,
perdestes o rumo de vossa casa.
Sois só.
Agora, demasiado fraco,
congelas algumas lembranças
para ensaiar o grande salto.
O que de vós fora feito, homem bom.

In. Refeição. Goiânia: Kelps, 2001

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Francisco Perna Filho - Poema

Essencial




Chamava o elevador
e descia pela escada
(insistindo na própria sorte).
Como tomasse vinho
embriagava-se de ônibus
na esperança de não chegar nunca
a lugar algum.
Cansado de enganar o mundo
tropeçou na sorte:
não podendo tirar férias,
tirou a própria vida.


In. Refeição. Goiânia: Kelps, 2001.
Imagem retirada da Internet: sem destino

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Francisco Perna Filho - Poema

[edificios-em-s.paulo-sp-brazil800.jpg]
Insone



As ruas nunca dormem.
Não há tempo para isso,
guardam os prédios que se esvaem em sono vertical.
Os porteiros não dormem nunca.
Não há tempo para isso,
guardam os donos nidificados
em sonhos de existência.
As mães nunca dormem,
velam os filhos errantes em bares e becos obscuros.
Os famintos,
os guardas,
as prostitutas,
assim como os cães,
exercem a insônia da sobrevivência.
Pelos olhos insones de todos estes
meus olhos vêem o inominado,
o imaterializável.
E, por muito ver,
meus olhos nunca dormem.



Imagem retirada da Internet: prédios

terça-feira, 5 de julho de 2011

Francisco Perna Filho - Poema


Ecos



Habitando os cafés
e refletindo as manhãs
com restos da noite,
ambientou-se ao não-ser,
traçou a inexistência,
ficou entre parênteses.
Silente e absorto,
refez os becos
de um dia oco e pesado.
Inquieto,
alimentou-se de acasos:
sorveu as praças,
o cinza das chaminés
e amargurou-se com o lamento
pulverizado dos meninos
da grande cidade.
Chorou a salobra
Segunda feira,
feita de vagidos
e tormentos.
Desse modo,
por muito tempo,
passou a repetir
as noites,
nos olhos avulsos
do esquálido cão,
que cismara em perseguir.
Um dia,
ao tentar recompor sua história,
morreu de esquecimento.

Imagem: Edward Hoppe

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Francisco Perna Filho - Poema


Silêncios



Silenciar como pedras,
tornar imóvel o distante,
pura embarcação.
A rede,
a vela,
a curva e a canção
caminham e me enfunam.
Morrer nas pequenas coisas:
no papel amassado da não inspiração,
na toalha embotada de Toddy e pão,
no candeeiro sem lume e sem esperança.
O gume mata o sono e o sonho.
Tudo se desbota.


Imagem: "Os Amantes" de Magritte

domingo, 3 de julho de 2011

Francisco Perna Filho - Poema


lamparina
Cafarnaum



Velhos armários,
guardando nas suas gavetas
o cheiro aveludado de tantos invernos,
esculpidos em retratos sonâmbulos,
carpidos no ranger de redes
e no murmúrio oblongo de potes de barro.
Nada há de velho que não enterneça.
nem o mofo,
nem o lodo,
nem os anos embotados no imaginário humano.
Nada passa que não nos faça avançar para antes,
para uma anterioridade lírica,
sob a luz das lamparinas
talhadas em ausências e muita solidão.
Nada há de novo que não nos mostre o velho,
o passado,
o que fomos nós,
nos passos tênues dos nossos avós,
no lastimoso grito memorial
dos nossos corpos na dança secular;
dos nossos corações empedernidos
pelas inúmeras cicatrizes
que clamam refeição.
O que há em nós
é um imenso desejo de reconstituição
de refazimento.
Um desejo
de saciar a nossa fome ancestral,
agora, no presente futuro.


In. Refeição. Goiânia: Kelps, 2001.


Imagem retirada da Internet: by Paulo Tomas

sábado, 2 de julho de 2011

Francisco Perna Filho - Poema



Foto by Nuno Ramos


REVELAÇÃO                                                    



Teus olhos infindos
peregrinam versos nas bibliotecas,
traspassando todo o concreto com o qual me visto.
Desnudo, sou pura memória.
Memória primordial.
Vejo as figuras formadas à sombra dos pés-de-lima:
cavaleiros, viajantes, lavadeiras;
homens simples.
As sombras, que imóveis me animam,
compõem esta fantasia.
São seres noturnos
que se revelam na luz.
Sombras de engenho,
do todo, de arte,
de partes.
De quem parte sem sombras de dúvidas,
deixando um vazio de sombras:
de memória perdida;
de palavra não dita
no aturdimento dos amores.
Sombras que pesam,
de pedras,
na mais pesada palavra.
Dos mitos,
do mítico,
que perseguem os meus contemporâneos.
Sombras transformadas,
que assombram os teus olhos,
atentos e profundos.
Olhos de sombras
que me iluminam.

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Francisco Perna Filho - Poema


Este ano, mais precisamente no dia 18 de  outubro, o meu primeiro livro "Refeição" completa 10 anos do seu lançamento. Para comemorar a data, postarei, ao longo deste mês de julho, vários poemas que fazem parte do livro. Aproveito para homenagear os corresponsáveis pela materialização do mesmo: Faculdade Cambury (Goiânia) e Secretaria Municipal de Goiânia (Lei de Incentivo à Cultura).


Refazendo





I                                                               


Todos os portos,
todas as palavras.
Nos terminais desertos,
à sombra das velhas marquises,
o Poeta refaz-se do último pesadelo:
o grito incolor das insones madrugadas,
das segundas-feiras borradas de desordem
e desencanto.
Todas as pensões,
todos restaurantes.
Nas rodoviárias abarrotadas,
à mercê das buzinas e moscas,
ele se refaz da sua penúria:
dos meses que se seguiram sem pão,
sem água e sem encanto

II


Todas as ausências,
todas as mulheres.
Nos prostíbulos,
sob a oblíqua penumbra da lascívia,
o Poeta refaz-se de sua fome existencial:
nos momentos solitários de becos e muros,
de desencantos e esguichos...
catalogando mulheres na imaginação.
Todas as crenças,
todas as filosofias.
Na experiência mundana,
ele refaz-se dos irresolutos momentos.
Um leque de possibilidades:
no Outro, no Mundo e em Deus.
Preferindo a realidade,
santifica - se.

In. Refeição. Goiânia: Kelps, 2001, p.109-111.