sábado, 25 de junho de 2011

Sinésio Dioliveira - Poema


Nervo na flor da pele


O nervo
na flor da pele
no fundo do vale
a fúria expele
o furor deságua
e enxágua o suor
carnal dos dois.

O biquini de renda
a flor, a fenda
caminho que o espinho
se enfia e se afia
ferindo o vórtice voraz
que afaga o afã
da fome da faca.

O nervo
na flor da pele -
estrela de pelos negros -
ate-nua a agonia da pele
bebendo o suor da outra
estendida do lençol.