terça-feira, 15 de março de 2011

Francisco Soares Feitosa - Poema



Architectura
                                                                                             
Um dia, Ela 
desenhará em chãos longínquos a casa só nossa, 
que eu farei com estas mãos.


Os tijolos, eu os amassarei com os meus pés.


Às telhas —
hei de aprontar o barro mais macio,
e as formas serão por mim,
uma a uma, completadas;


Ela as alisará longamente — 
seus dedos molhados de um profundo silêncio:
só os pássaros.

Fortaleza, manhã de 19.11.1998




Imagem retirada da Internet: mãos