sábado, 8 de janeiro de 2011

Lindolfo Bell - Poema


PROCURO A PALAVRA PALAVRA





Não é a palavra fácil

que procuro.

Nem a difícil sentença,

aquela da morte,,

a da fértil e definitiva solitude.

A que antecede este caminho sempre de repente.

Onde me esgueiro, me soletro,

em fantasias de pássaro, homem, serpente.


Procuro a palavra fóssil.

A palavra antes da palavra.


Procuro a palavra palavra.

Esta que me antecede

E se antecede na aurora

De na origem do homem


Procuro desenhos

dentro da palavra.

Sonoros desenhos, tácteis,

Cheiros, desencantos e sombras.

Esquecidos traços. Laços.

Escritos, encantos re-escritos.

Na área dos atritos.


Dos detritos.

Em ritos ardidos da carne

e ritmos do verbo.

Em becos metafísicos sem saída.


Sinais, vendavais, silêncios.

Na palavra enigmam restos, rastos de animais,

Minerais da insensatez.

Distâncias, circunstâncias, soluços,

Desterro.


Palavras são seda, aço.

Cinza onde faço poemas, me refaço.


Uso raciocínio.

Procuro na razão.

Mas o que se revela, arcaico, pungente,

eterno e para sempre, vivo,

vem do buril do coração.





In. AS VIVÊNCIAS ELEMENTARES São Paulo: Massao Ohno/ Roswitha Kempf, 1980

Apud Antônio Miranda

Imagem retirada da Internet:Pena